Idade Contemporânea

A Idade Contemporânea é um dos períodos da história, e, cronologicamente, iniciou-se com a queda da Bastilha, em 1789, estendendo-se até a atualidade. É um período de grandes transformações causadas pelo desenvolvimento tecnológico, assim como é o período de consolidação do capitalismo e marcado por grandes conflitos, sobretudo no século XX.

Acesse também: Causas da queda da Batilha e Revolução Francesa

Divisão da história

Todos que estudam a disciplina de história em algum momento visualizarão períodos diferentes da história humana. A Idade Contemporânea é um desses períodos e aborda a história do século XVIII aos dias de hoje. Essa divisão em períodos não é tão recente assim e remonta ao século XIX, quando a história consolidava-se como matéria de ensino.

Essa transformação da história em matéria de ensino iniciou-se no final do século XVIII, na Europa Ocidental, e ganhou força no século seguinte. A periodização cronológica não foi uma inovação desse período, mas sim uma estratégia de manejo do tempo já usada por diferentes intelectuais do passado.

O objetivo da periodização histórica pode ser uma forma de demonstrar a evolução das sociedades ao longo do tempo, destacando-se os momentos marcantes, isto é, momentos em que grandes transformações iniciaram-se. Além disso, a periodização atende a uma função importante relacionada ao ensino: ela facilita o ensino da história e a assimilação do conhecimento.

O modelo que existe atualmente surgiu de propostas que foram desenvolvendo-se na Europa durante a Idade Média. A partir do renascimento, surgiram ideias de um mundo marcado por três eras: a antiga, a média e a moderna. Essa ideia avançou e tornou-se a divisão que conhecemos atualmente como: Pré-História, Idade Antiga, Idade Média, Idade Moderna e Idade Contemporânea.

O mundo durante a Idade Contemporânea

A queda da Bastilha é o acontecimento usado como marco para o início da Idade Contemporânea.
A queda da Bastilha é o acontecimento usado como marco para o início da Idade Contemporânea.

Cronologicamente, a Idade Contemporânea iniciou-se com a queda da Bastilha, acontecimento que iniciou a Revolução Francesa, em 1789. Esse evento é conhecido historicamente como o que garantiu a ascensão da burguesia e a consolidação do iluminismo, que pregava a primazia da razão e do estudo científico como forma de garantir-se o desenvolvimento humano.

Por meio dos ideais iluministas, o mundo presenciou, durante a Idade Contemporânea, um elevado grau de desenvolvimento científico, e a sociedade, sobretudo a ocidental, passou por um relativo processo de laicização. Com isso, as questões de Estado desvincularam-se da Igreja, e o poderio político religioso diminuiu.

O desenvolvimento científico da Idade Contemporânea garantiu a continuidade da Revolução Industrial e do processo de consolidação do capitalismo. Novas tecnologias surgiram, o modo de produção tornou-se mais técnico, e os avanços levaram ao surgimento de itens como automóveis e antibióticos. Por outro lado, a capacidade de destruição da humanidade aumentou-se, uma vez que a tecnologia permitiu a criação de armas mais letais.

Do ponto de vista político, a Idade Contemporânea foi o período em que as monarquias absolutistas enfraqueceram-se, sendo substituídas por monarquias constitucionais, forma de governo que possui mais dispositivos democráticos, e por repúblicas, algumas democráticas, mas outras  autoritárias.

Ainda do ponto de vista político, mas também entrando em questões econômicas, a Idade Contemporânea presenciou o surgimento de uma ideologia que propunha uma alternativa para a exploração praticada contra os trabalhadores no capitalismo: o socialismo. Os ideais socialistas mobilizaram trabalhadores em todo o mundo, desejosos de um mundo sem exploração.

No século XX, os ideais socialistas avançaram, e o primeiro país socialista do mundo surgiu em 1917, quando os bolcheviques realizaram um golpe e tomaram o poder na Rússia. Os ideais socialistas expandiram-se para outros países e fizeram com que o mundo se polarizasse entre nações socialistas e nações capitalistas.

A Idade Contemporânea vem sendo o período em que a preocupação pelos Direitos Humanos ganha força, sobretudo por conta de experiências trágicas experimentadas pela humanidade, como o Holocausto (além de outros genocídios) e as duas guerras mundiais. O século XX foi marcado por diferentes guerras em diferentes partes do mundo.

Acesse também: Alfred Nobel, o homem que inventou a dinamite

O Brasil durante a Idade Contemporânea

Na Idade Contemporânea, o Brasil passou por inúmeras transformações. De colônia, o país passou a ser uma nação independente, primeiro como uma monarquia e depois como uma república. No início dessa idade, apesar de territorialmente existir uma nação chamada Brasil, o sentimento de identidade nacional não existia ainda.

Tanto que, no ano em que a Idade Contemporânea iniciou-se, o Brasil presenciou a inconfidência mineira, movimento de caráter separatista e republicano. O separatismo desse movimento era limitado, e a noção de identidade era restrita a Minas Gerais. A identidade brasileira só se formou ao longo do século XIX, após a independência.

A independência brasileira foi resultado da quebra de relações entre as elites de Portugal e do Brasil. D. Pedro, herdeiro do trono português, foi alçado à liderança desse movimento que resultou na transformação do Brasil em um país independente, mas baseado em um regime monárquico.

O Brasil estruturou-se enquanto nação de uma forma que atendesse aos interesses de uma elite, e isso fez dele uma nação elitista e desigual, com uma parcela de ricos que gozavam (e ainda gozam) de muitos privilégios. O maior sintoma disso foi a manutenção da escravidão até o ano de 1888, fazendo de nosso país o último no mundo a abolir a escravidão.

Outra característica marcante do Brasil foi o autoritarismo, presente em nosso país de variadas formas. A historiadora Lilia Schwarcz identificou que o autoritarismo esteve presente na história brasileira por meio de racismo, corrupção, patrimonialismo, mandonismo, desigualdade social,  violência, e intolerância|1|.

Exemplos não faltam, pois a história brasileira é marcada por momentos autoritários, a começar pelo Primeiro Reinado e por toda a história da monarquia brasileira. A república, no entanto, não fica para trás nesse quesito, uma vez que a Primeira República, a Era Vargas e a Ditadura Militar tiveram fortes elementos autoritários.

Mesmo momentos entendidos como democráticos de nossa história, como a Quarta República e a Nova República, possuíram elementos de autoritarismo muito presentes na administração pública. A Nova República, por sua vez, foi o período em que um esforço democrático foi de fato realizado para a construção de um país mais inclusivo.

Leia mais: Totalitarismo – sistema político em que uma pessoa ou partido detém poder absoluto sobre uma nação

Principais acontecimentos da Idade Contemporânea

A Segunda Guerra Mundial foi um dos acontecimentos mais marcantes e importantes da Idade Contemporânea.
A Segunda Guerra Mundial foi um dos acontecimentos mais marcantes e importantes da Idade Contemporânea.

A Idade Contemporânea é um momento de nossa história com mais de 200 anos de extensão, e, portanto, existe uma grande lista de acontecimentos importantes que marcaram a humanidade nesse período. Listaremos alguns deles:

História geral

História do Brasil

Revolução Francesa

Independência do Brasil

Era Napoleônica

Guerra do Paraguai

Neocolonialismo

Abolição da escravidão

Primeira Guerra Mundial

Proclamação da república

Revolução Russa

Revolução de 1930

Regimes totalitários

Estado Novo

Segunda Guerra Mundial

Ditadura Militar

Guerra Fria

Promulgação da Constituição de 1988

Nota

|1| SCHWARCZ, Lilia Moritz. O autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

Por Daniel Neves Silva

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos de Idade Contemporânea