Madre Teresa de Calcutá

Você está aqui

Madre Teresa de Calcutá ficou internacionalmente conhecida como uma freira que dedicou a sua vida ao trabalho de caridade. Recebeu o Nobel da Paz em 1979.
Madre Teresa de Calcutá foi uma freira indiana que ficou conhecida por seu trabalho humanitário na Índia e em outras partes do planeta.[1]
Madre Teresa de Calcutá foi uma freira indiana que ficou conhecida por seu trabalho humanitário na Índia e em outras partes do planeta.[1]

Madre Teresa de Calcutá foi uma freira indiana que ficou internacionalmente conhecida por seu trabalho humanitário desenvolvido na Índia. Foi a fundadora da ordem Missionárias da Caridade, que cuidava de pobres, órfãos e doentes gratuitamente. Ela recebeu o Nobel da Paz, em 1979, por seu trabalho.

Acesse também: Alfred Nobel, o idealizador do Prêmio Nobel

Resumo sobre Madre Teresa de Calcutá

  • Madre Teresa de Calcutá nasceu em Skopje, capital da atual Macedônia do Norte.

  • Ingressou na ordem das Irmãs de Loreto em 1928, mudando-se para a Irlanda no mesmo ano.

  • Atuou como freira nas Irmãs de Loreto até 1948, quando abandonou a ordem para realizar trabalho humanitário em Calcutá por conta própria.

  • Fundou a ordem das Missionárias da Caridade, tornando-a famosa e espalhando filiais dela em toda a Índia e em outros países do planeta.

  • Recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1979.

  • Faleceu em 1997, vítima de insuficiência cardíaca.

Anjezë Gonxhe Bojaxhiu nasceu no dia 26 de agosto de 1910. A cidade na qual ela nasceu era conhecida, na época, como Üsküp e fazia parte do Império Otomano. Atualmente, o local é conhecido como Skopje, sendo a capital da Macedônia do Norte, país que surgiu, no começo da década de 1990, durante o desmembramento da Iugoslávia.

Reconhecida internacionalmente como Madre Teresa de Calcutá, ela tinha origens em uma família albanesa extremamente católica. Seu pai se chamava Nikola Bojaxhiu e trabalhava como empresário, enquanto que sua mãe, Dranafile Bojaxhiu, era dona de casa, cuidando do lar e dos seus filhos.

Quando Anjezë Bojaxhiu tinha oito anos, seu pai morreu e sua mãe foi obrigada a trabalhar vendendo tecidos e bordados. Ainda na infância, ela teve os primeiros sinais de que desejava seguir a carreira religiosa. Aos 12 anos, ela já falava abertamente que queria se tornar freira, e, com 17 anos, decidiu que seria mesmo uma.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Carreira eclesiástica de Madre Teresa de Calcutá

Anjezë Bojaxhiu adotou o nome “Madre Teresa” ao longo de sua carreira religiosa, sendo que seu primeiro passo nesse sentido foi se juntar a um convento localizado na Irlanda. Com 18 anos, ela ingressou no Instituto da Bem-Aventurada Virgem Maria, também conhecido como Irmãs de Loreto. Essa ordem religiosa tinha missões na Índia, fato esse fundamental para atrair o interesse da jovem.

Ela se mudou para a Irlanda em 1928 e nunca mais viu sua irmã e sua mãe. O período de Madre Teresa nesse país serviu como preparatório para as missões religiosas que ela cumpriria na Índia. Foi nas Irmãs de Loreto que ela passou a ser chamada de Teresa, gesto inspirado no nome de Teresa de Lisieux, também conhecida como Santa Teresinha do Menino Jesus e da Santa Face.

Ela foi enviada para a Índia no começo de 1929, ainda no período de noviciado, isto é, no seu período de formação enquanto freira. Ela emitiu seus votos religiosos, tornando-se oficialmente uma freira em 24 de maio de 1931. A partir desse momento, ela passou a ser conhecida como Teresa.

Desse modo, estabeleceu-se em um convento das Irmãs de Loreto em Calcutá e passou a trabalhar como professora de história e geografia em uma escola mantida por essa ordem. A partir de 1937, Teresa tornou-se diretora de uma das escolas mantidas pelas Irmãs de Loreto e passou a ser conhecida como Madre Teresa.

Acesse também: Mahatma Gandhi, conhecido como defensor da paz

Ações de caridade de Madre Teresa de Calcutá

Missionárias da Caridade reunidas em local fechado.
Missionárias da Caridade, ordem fundada por Madre Teresa de Calcutá que atualmente realiza trabalho humanitário na Índia e em outras partes do mundo.[2]

Enquanto freira das Irmãs de Loreto, Madre Teresa não podia morar fora do convento. Entretanto, a partir da década de 1940, ela passou a sentir a necessidade de estender o trabalho de caridade para além dos muros do convento. Para que pudesse realizar esse trabalho, ela precisava abandonar as Irmãs de Loreto.

Ela queria realizar trabalho humanitário para ajudar a camada mais pobre da população de Calcutá, fornecendo-lhe abrigo, alimento, tratamento médico etc. Seu desejo era incentivado pelo cenário que nessa época a Índia enfrentava de fome, a qual levou milhões de pessoas à morte, e da crescente violência entre hindus e muçulmanos naquela sociedade.

Assim, Madre Teresa deu início ao processo para abandonar as Irmãs de Loreto, o qual se estendeu por dois anos. A saída de Madre Teresa do convento aconteceu em agosto de 1948, após 20 anos de permanência nessa ordem religiosa. Então ela se mudou para uma região periférica de Calcutá e deu início ao seu trabalho de caridade.

Madre Teresa adotou cidadania indiana, realizou um treinamento médico, e então fundou uma pequena escola em Calcutá. Já no começo de 1949, ela contava com algumas voluntárias que cuidavam dos pobres. O crescimento do trabalho de caridade coordenado por ela permitiu que ela recebesse autorização do Vaticano para estabelecer uma ordem religiosa, e assim surgiu as Missionárias da Caridade, em outubro de 1950.

Em 1952, as Missionárias da Caridade estabeleceram uma casa de repouso que recebia pessoas em condições de saúde precárias. O objetivo desse local era dar algum tratamento médico e conceder repouso e algum conforto para moribundos. Essa casa recebeu o nome de Nirmal Hriday, traduzido como “Lugar do Imaculado Coração”.

Além disso, foi aberta uma casa para receber pessoas que sofriam com hanseníase, e esse local foi nomeado Shanti Nagar, traduzido como “Lugar da Paz”. As Missionárias da Caridade também cuidavam de um orfanato, dando abrigo, educação e cuidados médicos a crianças órfãs até que fossem adotadas por outras famílias.

Com o tempo, o trabalho humanitário da ordem de Madre Teresa foi sendo reconhecido, e novos locais começaram a receber ações humanitárias desenvolvidas pelas Missionárias da Caridade. Na década de 1960, a ordem começou a desenvolver o seu trabalho internacionalmente ao abrir casas em países como Venezuela, Itália, Tanzânia e Áustria.

Madre Teresa, ainda, ficou conhecida por seu trabalho no acolhimento de pessoas que sofriam com Aids, na década de 1980, e também atuou resgatando crianças que sofriam com a guerra no Líbano, em 1982. Seu trabalho foi reconhecido internacionalmente e rendeu a ela o Prêmio Nobel da Paz em 1979, além de outras premiações internacionais.

Morte de Madre Teresa de Calcutá

A partir da década de 1980, a saúde de Madre Teresa começou a dar os primeiros sinais de que estava em declínio. Em 1983, ela sofreu o primeiro ataque cardíaco, e, em 1989, sofreu o segundo ataque, fazendo com que recebesse um marcapasso. No começo da década de 1990, os problemas de saúde continuaram, e ela desenvolveu doenças como pneumonia e malária.

Apesar do marcapasso, o coração de Madre Teresa permaneceu frágil, e, em 5 de setembro de 1997, ela faleceu de insuficiência cardíaca. Sua morte causou comoção internacional, e seu funeral foi assistido por milhares de pessoas em todo o planeta. Seu corpo foi enterrado em Calcutá, onde ela residiu durante quase toda a sua vida.

Depois de seu falecimento, Madre Teresa foi beatificada pela Igreja Católica por conta de um suposto milagre que ela realizou ao curar o câncer de uma mulher. O Vaticano abriu processo de beatificação, e ela foi beatificada em 2003 e santificada em 2016.

Acesse também: Martin Luther King Jr. e a luta contra o racismo

Críticas a Madre Teresa de Calcutá

Apesar de ser reconhecida internacionalmente por seu trabalho humanitário ao fornecer cuidado médico, abrigo, alimentos e educação aos pobres e doentes, Madre Teresa sofre com críticas realizadas por pessoas que questionam algumas de suas ações.

Nesse sentido, alguns apontam que os doentes nas casas das Missionárias da Caridade não recebiam um tratamento médico adequado. Essas pessoas acusam que muitos pacientes sofriam com dores constantes, pois não recebiam analgésicos eficientes. Além disso, as condições de higiene dessas casas também são criticadas.

Existem os que criticam também a forma como a ordem religiosa geria o dinheiro das doações, pois muitos denunciaram que parte do dinheiro não era utilizada e que uma parte dele tinha origens questionáveis. Por fim, existem aqueles que questionam as relações de Madre Teresa, que era próxima de pessoas como o ditador haitiano Baby Doc.

Frases de Madre Teresa de Calcutá

A vida e o trabalho exercido por Madre Teresa servem de inspiração para muitas pessoas. Além de uma vida de boas obras, a freira é conhecida por algumas frases marcantes|1|, tais como:

  • “Muitas vezes, uma só palavra, um olhar, um gesto rápido, e as trevas enchem o coração da pessoa que amamos.”

  • “Há muitas pessoas no mundo morrendo por falta de um pedaço de pão, mas há muito mais gente morrendo por falta de um pouco de amor.”

  • “Se você julga as pessoas, você não tem tempo para amá-las.”

  • “Nós podemos curar as doenças físicas com a medicina, mas a única cura para a solidão, para o desespero e para a desesperança é o amor.”

  • “Ontem se foi. O amanhã ainda não chegou. Nós temos apenas o hoje, comecemos!”

Nota

|1| 16 frases extraordinárias da Santa Madre Teresa de Calcutá. Para acessar, clique aqui.

Créditos das imagens

[1] mark reinstein e Shutterstock

[2] Zvonimir Atletic e Shutterstock

Por Daniel Neves Silva

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados