República de Weimar

Você está aqui

Paul von Hindenburg foi um dos chefes de Estado da República de Weimar
Paul von Hindenburg foi um dos chefes de Estado da República de Weimar

Curtidas

0

Comentários

0

Compartilhe:
Por Cláudio Fernandes

Por Me. Cláudio Fernandes

É sabido que a grande potência econômica e militar que se destacou no início da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), em virtude de seu exército moderno, ágil e destruidor, foi o Império Alemão. Contudo, também é sabido que essa mesma potência acabou por ser derrotada e humilhada pelos países vencedores, ao fim da guerra, com a série de sanções que lhe foi imposta com o Tratado de Versalhes. Pois bem, o Império Alemão, depois de 1918, entrou em colapso. Em seu lugar foi erguida uma nova forma de governo, que tinha por missão não apenas a recuperação econômica, mas também a recuperação do prestígio do povo alemão. Esse governo assumiu a forma republicana e ficou conhecido como República de Weimar, durando de 1919 a 1934.

A história da República de Weimar começou com a realização de uma assembleia constituinte na cidade de Weimar, Alemanha, que teve início no dia 6 de fevereiro de 1919. Entre as decisões acordadas na Constituição de Weimar estava a definição do funcionamento da república. O modelo seria bicameral, isto é, teria duas casas legislativas, o Reichstag (o Parlamento) e o Reichsrat (a Assembleia). Haveria também dois chefes da república, um chefe de governo, o chanceler, responsável pela administração geral, e o chefe de Estado, o presidente, responsável pelas questões de Estado: como diplomacia, forças armadas etc.

O primeiro presidente eleito foi Friedrich Ebert, político social-democrata ligado à tradição socialista alemã. Antes mesmo que Ebert começasse seu governo, no momento mesmo em que a República estava sendo montada, a Alemanha passou por uma turbulência política provocada pela revolta espartaquista, ou Revolução Alemã (1918-1919), um levante comunista radical liderado por personalidades como Rosa Luxemburgo, que pretendia executar na Alemanha o que os bolcheviques haviam feito na Rússia – ainda que com outros métodos. Entretanto, o levante espartaquista, que usava esse nome como referência à revolta dos gladiadores romanos comandados por Espartacus, foi debelado e a república continuou o seu caminho.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Friedrich Ebert foi o primeiro presidente eleito na República de Weimar
Friedrich Ebert foi o primeiro presidente eleito na República de Weimar 

Contudo, as dificuldades eram enormes, e a animosidade entre os grupos políticos rivais era tremenda. Foi nessa época que os comunistas alemães conseguiram enorme projeção política, ao passo que também movimentos nacionalistas, vindos da tradição socialista, começaram a ganhar projeção, como foi o caso do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, o NAZI, que deu origem ao movimento nazista, que passaria a ser articulado por Adolf Hitler a partir de 1921.

A partir de 1923, a economia alemã ainda viveu um período de relativa estabilidade com o chanceler Gustav Stresemann à frente da administração. Esse controle relativo prosseguiu com o chanceler Heinrich Brüning. Todavia, em 1925, o presidente Ebert morreu, e o novo eleito para o cargo foi o herói de guerra Marechal von Hindenburg, que foi reeleito em 1931. Hindenburg e seu primeiro chanceler, Franz von Papen, não conseguiram manter a estabilidade econômica anterior, sobretudo em virtude da Quebra da Bolsa de Nova York, em 1929, e do colapso financeiro internacional dela derivado.

Essa situação levou à ascensão política do partido nazista, que prometia a ruptura com todas as sanções impostas pelo Tratado de Versalhes, a remilitarização da Alemanha e a recuperação do antigo prestígio da época do Reich. O prestígio social que Hitler possuía no início dos anos 1930 fez com que Hindenburg nomeasse-o chanceler em lugar de Papen. Com a morte do presidente marechal em 1934, Hitler tomou para si também os poderes de chefe de Estado, tornado-se senhor das forças armadas da Alemanha e levando o país às malhas do totalitarismo do III Reich, pondo fim à República de Weimar, fato que culminou na Segunda Guerra Mundial.