Estado Novo

Você está aqui

c
Getúlio Vargas governou o Brasil de 1930 a 1945, sendo o período 1937-1945 a fase ditatorial, conhecida como Estado Novo.*

Curtidas

0

Comentários

0

Compartilhe:
Por Daniel Neves Silva

O Estado Novo foi a fase ditatorial do governo de Getúlio Vargas. Ao todo, Vargas permaneceu no poder de 1930 a 1945, mas a fase do Estado Novo corresponde especificamente ao período de 1937 a 1945. Teve início em novembro de 1937, quando foi realizado o Golpe do Estado Novo, e foi encerrado quando os militares obrigaram Vargas a se retirar do poder.

Como teve início o Estado Novo?

O surgimento do Estado Novo em 1937 foi resultado de um longo esforço de Getúlio Vargas na construção de um regime autoritário no Brasil. É importante considerarmos que, desde que assumiu a presidência em novembro de 1930, Vargas tomou iniciativas para centralizar o poder. Demonstração evidente disso foi a ação de Vargas em adiar tanto quanto fosse possível a realização de eleições para formar uma Constituinte no Brasil.

Acesse também: Conheça a guerra que os paulistas iniciaram contra Vargas

Os esforços de Getúlio Vargas em centralizar o poder no Brasil foram parcialmente frustrados com a promulgação da Constituição de 1934, que determinava que novas eleições deveriam ser realizadas em 1938 e que Vargas não poderia concorrer à reeleição, pois havia sido eleito presidente indiretamente em 1934.

No entanto, nessa fase da Era Vargas, conhecida como “fase constitucional”, o presidente encontrou a justificativa que precisava para implantar medidas centralizadoras, as quais colocaram o Brasil no caminho do autoritarismo. Vargas utilizou-se da “ameaça comunista” como forma de ampliar o seu poder na presidência.

Em 1935, aconteceu no Brasil a Intentona Comunista, tentativa dos comunistas de tomar o poder no Brasil pela via revolucionária. Antes disso, na verdade, o presidente já apoiava medidas autoritárias, que foram ampliadas depois da rebelião comunista. Em 1935, foi decretada a Lei de Segurança Nacional, que ampliava os poderes presidenciais para combater crimes contra a “ordem social”.

Pouco tempo depois, essa lei foi endurecida por uma emenda aprovada pelos parlamentares brasileiros. Também foi criado um Tribunal de Segurança Nacional, utilizado para punir rigorosamente os réus da lei aprovada em 1935. Nesse cenário, ampliou-se consideravelmente a perseguição a grupos da esquerda.

Enquanto tudo isso acontecia, o Exército começou a alinhar seus interesses com os de Getúlio Vargas no sentido de perseguir os grupos da esquerda e de implantar um regime autoritário no país. Parcelas do alto escalão da sociedade também começaram a entender o viés autoritário como a forma ideal de implantar à força uma modernização do país.

O resultado final desse processo levou ao Golpe do Estado Novo em novembro de 1937. O golpe aconteceu logo após o governo publicar um documento falso chamado Plano Cohen. Esse plano narrava as etapas de um golpe comunista que estaria sendo planejado. O documento, no entanto, havia sido elaborado por Olímpio Mourão e pelos integralistas.

O documento que continha o Plano Cohen foi descoberto pelo antigo Ministro da Guerra, Góes Monteiro, e foi apresentado a Vargas e Eurico Gaspar Dutra, que aprovaram o uso do documento falso como pretexto para realizar o golpe no Brasil. A partir daí, Francisco Campos, advogado mineiro, começou a organizar uma nova Constituição para o Brasil.

Em novembro de 1937, Vargas ordenou o cercamento do Congresso Nacional e obrigou os parlamentares a retornarem para suas casas. Imediatamente, uma nova Constituição foi apresentada e outorgada à nação. Vargas decretou o fim das atividades dos partidos políticos no país.

Características do Estado Novo

Getúlio Vargas e outros representantes do Estado Novo durante um evento realizado no Rio de Janeiro, em 1943.**
Getúlio Vargas e outros representantes do Estado Novo durante um evento realizado no Rio de Janeiro, em 1943.**

A implantação do Estado Novo no Brasil seguia a tendência mundial de radicalização da política. Na década de 1930, surgiu ou se consolidou uma série de regimes totalitários em diversas partes do mundo, tais como o stalinismo soviético, o nazismo na Alemanha, o fascismo na Itália, o franquismo na Espanha e o salazarismo em Portugal.

Acesse também: Conheça o conflito responsável pela ascensão de Franco ao poder na Espanha

No Brasil, consolidou-se um regime autoritário que, segundo define o historiador Thomas Skidmore, foi uma criação pessoal do próprio Vargas e que, portanto, possui peculiaridades que podem destoar um pouco das características dos regimes ditatoriais que existiam em outras partes do mundo na época|1|.

Uma característica inicial do Estado Novo foi o fortalecimento do Executivo, pois uma série de prerrogativas que estavam nas mãos dos estados e municípios passou para o nível federal. Outro ponto importante foi que o Executivo acumulou as funções do Legislativo, uma vez que o Congresso Nacional, Assembleias Estaduais e Câmaras Municipais foram fechados. Isso também aconteceu em relação aos “interventores”, nome que se dava aos governadores dos estados. O fortalecimento dos interventores foi, inclusive, um importante aparato de apoio ao poder de Vargas nos âmbitos regionais.

Durante o Estado Novo, o presidente sempre reforçou a valorização do nacionalismo, nomeado em seu governo de “brasilidade”. Essa característica era reforçada em ações do governo como a “marcha para o oeste”, movimento de habitação e desenvolvimento do interior do país como forma de resgatar os reais valores nacionais.

Outro símbolo dessa procura de Vargas em reforçar o nacionalismo no Brasil foi um ato em que o presidente organizou a queima de bandeiras estaduais logo após o golpe de 1937. O resultado das ações de reforçar o poder do Executivo e de exaltar o nacionalismo, combatendo os regionalismos, teve como efeito prático o enfraquecimento das oligarquias.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Na política, Vargas combateu o sistema partidário (que era enxergado pelo presidente como um mal). Vargas, inclusive, nunca formou um partido único que representava o seu próprio governo, como acontecia nos regimes autoritários e fascistas da Europa. A respeito disso, Thomas Skidmore afirma que “o sistema ‘não político’ do Estado Novo era o veículo perfeito para seus grandes talentos de conciliação e manipulação, que por sua vez dependiam de um contato extremamente pessoal com adversários e aliados”|2|.

Além disso, a censura e a propaganda política foram partes importantes do Estado Novo. As duas questões eram da responsabilidade do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), agência criada pelo governo em 1939. A respeito do DIP, as historiadoras Lilia Schwarcz e Heloisa Starling afirmam:

Diretamente subordinado ao governo [o DIP], com órgãos filiados nos estados e dirigido por um jornalista, Lourival Fontes, […], o DIP era uma máquina bem planejada: tinha seis seções – propaganda, radiodifusão, cinema e teatro, turismo, imprensa e serviços auxiliares – e a tarefa de projetar as bases de legitimidade do Estado Novo. A agência interferiu em todas as áreas da cultura brasileira: censurou formas de manifestação artística e cultural; instrumentalizou compositores, jornalistas, escritores e artistas, e desenvolveu múltiplas linhas de ação.|3|

O uso de intelectuais e artistas era de extrema importância para o Estado Novo, pois Vargas sabia que a opinião deles era extremamente importante para legitimar as ações que o governo realizava e torná-las aceitáveis nas camadas mais baixas da sociedade. Outro ponto importante do Estado Novo foi a exaltação da figura do líder a partir da propaganda.

Thomas Skidmore, no entanto, afirma que Vargas não era muito favorável ao culto de personalidade que era realizado pelo DIP, mas o aprovava desde que se mostrasse eficaz em garantir apoio ao seu regime|4|.

Fim do Estado Novo

O Estado Novo, enquanto regime que se sustentava nos meios intelectuais, nas elites econômicas e nos meios militares, começou a ruir por volta de 1943. Um sinal claro disso foi a publicação do “manifesto dos mineiros”, em que personalidades de Minas Gerais exigiam a instalação de um regime democrático no país.

Nesse período, Vargas identificou que seu regime autoritário não teria vida longa após o fim da Segunda Guerra Mundial. Assim, Vargas deu início a uma nova fase de sua política: a fase da aproximação com os trabalhadores. Ele já flertava com essa postura em anos anteriores. Isso pode ser exemplificado pelo decreto do salário-mínimo em 1940 e pela organização de comícios no Dia do Trabalhador. A partir de 1943, Vargas fortaleceu essa aproximação.

Nesse ano, por exemplo, foi lançada a Consolidação das Leis do Trabalho, documento que trazia uma série de novidades na legislação trabalhista, ampliando os direitos dos trabalhadores urbanos (a legislação não se estendia aos trabalhadores rurais). Essa nova fase de Vargas recebeu o nome de trabalhismo e visava a garantir a sua influência na política brasileira assim que o sistema democrático fosse restabelecido.

A partir de 1945, a pressão sobre Vargas para que uma eleição presidencial acontecesse era tamanha que Vargas decretou o Ato Adicional. Com essa lei, o governo decretava que dentro de um prazo de 90 dias seria marcada a data para a eleição presidencial. Após isso, começou a organizar-se no país uma nova vida partidária, com destaque para três partidos.

  • União Democrática Nacional (UDN);

  • Partido Social Democrático (PSD);

  • Partido Trabalhista Brasileiro (PTB).

Para saber mais sobre os partidos que se formaram ao final do Estado Novo, acesse este texto sobre a Quarta República.

Ao longo de 1945, o desgaste de Vargas com os liberais e com os militares foi ampliando-se de tal forma que, em outubro de 1945, os militares cercaram o palácio presidencial e deram um ultimato a Vargas, forçando-o a renunciar à presidência do Brasil. A reorganização política do Brasil a partir desse momento deu origem à Quarta República (1946-1964).

Resumo

O Estado Novo foi a fase ditatorial da Era Vargas. Teve início em novembro de 1937, quando o presidente outorgou uma nova Constituição e decretou o fechamento do Congresso, e foi finalizado quando Vargas recebeu um ultimato dos militares e foi obrigado a renunciar à presidência, em outubro de 1945.

Com o Estado Novo, Vargas implantou um regime autoritário que centralizou o poder no Executivo. A censura foi instituída, e a propaganda política foi utilizada em larga escala como ferramenta para ressaltar as obras do governo, consolidar a ideologia do regime e garantir o culto a personalidade de Vargas.

Com o envolvimento do Brasil na Segunda Guerra, o autoritarismo de Vargas perdeu força, sobretudo entre os militares que tinham sido enviados à Europa para lutar contra o nazifascimo. Com esse movimento de contestação, a autoridade de Vargas foi sendo minada, o que levou a sua destituição. Vargas, porém, reorganizou sua estratégia política e deu início a sua política de aproximação das massas.

|1| SKIDMORE, Thomas E. Brasil: de Getúlio a Castello (1930-64). São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 64.
|2| Idem, p. 71.
|3| SCHWARCZ, Lilia Moritz e STARLING, Heloísa Murgel. Brasil: Uma Biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015, p. 376.
|4| SKIDMORE, Thomas E. Brasil: de Getúlio a Castello (1930-64). São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 70.

*Créditos da imagem: FGV/CPDOC

**Créditos da imagem: FGV/CPDOC

 

 

Aproveite para conferir nossa videoaula sobre o assunto:

Curtidas

0

Compartilhe: