Marcha para o oeste nos EUA

Você está aqui

“Marcha para o oeste” é como ficou conhecido o processo de expansão territorial dos Estados Unidos ao longo de todo o século XIX e que os fez alcançar a costa oeste americana.

O que foi a marcha para o oeste nos EUA?

Marcha para o oeste” é o nome que dado ao processo de expansão territorial que aconteceu nos Estados Unidos da América (EUA) ao longo do século XIX. Esse processo foi marcado tanto pela expansão territorial como pelo estabelecimento de colonos/habitantes nessas novas terras. Durante esse processo, os Estados Unidos deixaram de ser um território recluso ao das antigas treze colônias, alcançou as planícies centrais e estendeu-se até a costa oeste (costa do Oceano Pacífico).

A expansão territorial dos Estados Unidos foi iniciada logo após o fim da Guerra de Independência travada contra os ingleses entre 1776-1781. A ratificação da vitória dos colonos americanos foi dada pela assinatura do Tratado de Paris em 1783, responsável por reconhecer a independência das treze colônias e o surgimento dos EUA como nação.

Outra consequência desse tratado foi a cessão, por parte da Inglaterra, de terras para os Estados Unidos. Esse território estendia-se da região dos Montes Apalaches até a borda do Rio Mississipi. A ocupação dessa área tornou-se polêmica entre colonos e Inglaterra, uma vez que os ingleses não autorizavam os colonos a se estabelecerem nessas regiões para se evitar conflito com os indígenas.

Depois de assegurada a independência, os americanos iniciaram uma rápida ocupação dessas terras à custa da vida de milhares de indígenas. O processo de expansão territorial dos Estados Unidos também aconteceu por meio da compra de territórios e da sua conquista pela guerra. Os territórios que foram adquiridos a partir da compra e da diplomacia foram os seguintes:

  • Luisiana, território comprado dos franceses em 1803.

  • Flórida, território comprado dos espanhóis em 1819.

  • Alasca, comprado dos russos em 1867.

Luisiana foi um território comprado dos franceses no começo do século XIX, em 1803. A compra de Luisiana aconteceu pelo fato de os franceses precisarem de dinheiro para financiar as tropas napoleônicas que estavam em guerra no continente europeu. Apesar de Napoleão Bonaparte ter planos futuros para a América, a necessidade de pôr dinheiro naquele momento falou mais alto, e os franceses aceitaram vender a região por 15 milhões de dólares.

A compra da Flórida aconteceu em um cenário de enfraquecimento da Espanha, pois, naquele momento, o país europeu lidava com uma série de movimentos de independência que pipocavam em suas colônias no continente americano. Com a Flórida em segundo plano, o governo americano passou a pressionar o governo da Espanha para vender o território, alegando que os indígenas da Flórida representavam um risco.

Veja também: Independência da América Espanhola

O governo espanhol, fragilizado, aceitou vender a região como forma de evitar uma guerra contra os americanos. A Flórida foi vendida em 1819 por 5 milhões de dólares, em acordo assinado no Tratado Adams-Onís.

Por fim, o último território adquirido via compra foi o Alasca, obtido em acordo com os russos em 1867. A venda do Alasca aconteceu porque a Rússia passou a enfrentar uma forte crise em sua economia depois da Guerra da Crimeia. Territórios como o Alasca – que só davam prejuízo – passaram a ser vistos como indesejados, e os russos optaram por vendê-lo. William H. Seward, secretário do Estado dos Estados Unidos, foi o responsável pelo acordo em que os EUA aceitaram pagar 7,2 milhões de dólares pelo território do Alasca.

Essas compras foram acompanhadas de um grande fluxo de pessoas que se mudaram e estabeleceram-se nesses novos territórios. Esse grande volume de terras “vazias” foi habitado, principalmente, graças a incentivos do governo americano por meio do Homestead Act, ou Lei do Povoamento.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Essa lei foi instituída por Abraham Lincoln em 1862 e decretou que toda pessoa que tivesse interesse em se fixar em uma terra no oeste poderia fazê-lo a um preço baixíssimo. As condições exigidas pelo governo era de que o lote cedido seria habitado e cultivado por, no mínimo, cinco anos.

Leia também: Guerra Civil Americana

A expansão e a ocupação do oeste pelos americanos foram incentivadas por uma crença que existia na época, conhecida como Destino Manifesto. Nessa crença, os americanos afirmavam que os Estados Unidos eram uma nação escolhida por Deus para ser grande e próspera. Essa crença era utilizada como justificativa para isentar os americanos da culpa de toda a violência cometida nesse processo, principalmente contra os indígenas.


A Guerra Mexicano-Americana

Não foi só de diplomacia e compra que os Estados Unidos obtiveram novos territórios para si ao longo do século XIX. A expansão americana também aconteceu por meio de guerra, uma vez que os americanos travaram, nesse percurso, um conflito contra o México que se estendeu por dois anos e ficou conhecido como Guerra Mexicano-Americana.

A Guerra Mexicano-Americana aconteceu entre 1846 e 1848 e foi resultado do desgaste das relações entre Estados Unidos e México ao longo do século XIX, por conta da questão que envolvia o Texas. Originalmente, o Texas era um território mexicano que, a partir de 1821, começou a ser povoado por colonos americanos (com autorização do governo mexicano).

Os colonos americanos, no entanto, voltaram-se contra o controle dos mexicanos sobre o Texas por não aceitarem as leis estipuladas pelo governo daquele país, iniciando assim um levante que forçou o México a ceder o Texas para os Estados Unidos na década de 1830. Esse acontecimento criou um grande desgaste entre os dois governos.

Na década de 1840, os Estados Unidos manifestaram interesse sobre a Califórnia, e o governo mexicano declarou guerra aos Estados Unidos em defesa de seu território. Com outra derrota, o México foi obrigado a ceder, além da Califórnia, o território do Novo México.


A violência contra os indígenas

A marcha para o oeste americana foi realizada ao longo de todo o século XIX e às custas dos indígenas. A violência desse processo resultou na morte de milhares indígenas e forçou outros tantos a abandonarem suas terras e seu estilo de vida para sobreviverem.

Da década de 1830 em diante, uma série de estados americanos criou leis que obrigavam os índios a se retirarem de suas terras, de forma a permitir que americanos pudessem desenvolver colheitas nessas regiões. Essas leis de remoção levaram a um evento conhecido como Trilha das Lágrimas (Trail of Tears), em que milhares de índios tiveram de marchar por muitos quilômetros em meio a um rigoroso frio para se estabelecerem em um novo local definido pelo governo.

Durante essa caminhada, os historiadores estimam que até 15 mil indígenas tenham morrido. Na região central dos Estados Unidos, muitos indígenas tiveram seu estilo de vida destruído, uma vez que sobreviviam da caça aos bisões e, por isso, precisavam de uma faixa de terra muito longa.

 

Aproveite para conferir a nossa videoaula relacionada ao assunto:

Representações de cidadãos americanos que se dirigiam para o oeste nas diligências à procura de terras para se estabelecer.
Representações de cidadãos americanos que se dirigiam para o oeste nas diligências à procura de terras para se estabelecer.
Por Daniel Neves Silva

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados