Maria Leopoldina

Você está aqui

Maria Leopoldina foi uma arquiduquesa austríaca conhecida por ter sido a primeira imperatriz do Brasil. Criada em uma das mais tradicionais monarquias da Europa, Leopoldina casou-se com d. Pedro. Ficou marcada por ser uma das grandes influências para que ele declarasse a independência do Brasil.

O casamento de Leopoldina não foi fácil e ela teve uma relação infeliz. Seu marido foi-lhe extremamente infiel traindo-a diversas vezes, chegando a trazer suas concubinas para o convívio com a esposa. Deu à luz sete filhos e faleceu ainda jovem, vítima de uma septicemia causada por um aborto espontâneo.

Acesse também: Conheça os principais acontecimentos que marcaram o Primeiro Reinado

Nascimento e juventude

www.historiadomundo.com.br/romana/sacro-imperio-romano-germanico.htm
Ao todo, Leopoldina deu à luz sete crianças, frutos de seu relacionamento com o imperador. [1]

Leopoldina nasceu em Viena e era membro de uma das mais tradicionais famílias reais da Europa: os Habsburgo-Lorena. Seu nascimento aconteceu em 22 de janeiro de 1797, tendo a imperatriz Maria Teresa como mãe e o imperador Francisco II (também conhecido como Francisco I da Áustria) como pai. Como membro da família real austríaca, seu título real era de arquiduquesa.

Leopoldina nasceu em uma época tensa para o Sacro Império Romano Germânico (que se transformou em Império Austríaco em 1806). Seu país estava em guerra contra a França, e as monarquias absolutistas na Europa estavam em risco por conta dos ideais da Revolução Francesa. Algo que marcou a infância de Maria Leopoldina foi o fato de que sua tia-avó, Maria Antonieta, havia sido guilhotinada, anos antes de seu nascimento, em consequência da queda da monarquia francesa.

O nome completo da arquiduquesa austríaca era Carolina Josefa Leopoldina Fernanda Francisca de Habsburgo-Lorena, e ela tinha a pele muito branca, olhos azuis e os cabelos loiros. A educação de Leopoldina foi completa e de ótima qualidade, já que ela era membro da aristocracia. Aprendeu a ler e escrever, estudou literatura, história, música e dança e falava quatro idiomas (francês, alemão, italiano e inglês).

Também aprendeu regras de convívio que faziam parte da vida da realeza. Sua aia tinha como responsabilidade ensinar-lhe bons costumes e etiqueta. Os grandes interesses de Leopoldina eram botânica e mineralogia. Um ponto importante da sua educação foi ser ensinada a respeitar cegamente as decisões da família e a colocar os interesses de Estado e da monarquia sempre à frente.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Casamento de Leopoldina

O casamento de Leopoldina com d. Pedro foi resultado das negociações realizadas entre os corpos diplomáticos austríaco e português iniciadas durante o Congresso de Viena. Naquele contexto, Portugal procurava aumentar sua importância e assegurar uma posição no hall das grandes nações, e, para isso, um casamento com uma das monarquias mais poderosas da Europa seria útil.

O casamento do herdeiro do trono português com uma arquiduquesa austríaca era importante para os portugueses, pois elevou-os a uma das grandes monarquias europeias e, além disso, fê-los dar um passo para a redução da influência inglesa em Portugal. Para os austríacos, o casamento abria-lhes novas possibilidades no Brasil (recentemente promovido à condição de reino).

O casamento entre Leopoldina e d. Pedro aconteceu em 13 de maio de 1817, em uma igreja localizada em Viena. D. Pedro não compareceu à cerimônia pela distância do deslocamento entre Brasil e Áustria, e, por isso, ela foi realizada por procuração. Quem representou d. Pedro foi o tio de Leopoldina: Carlos, o duque de Tuschen.

Só depois do casamento que Leopoldina mudou-se para o Brasil. Sua viagem teve duração de 85 dias, e ela chegou à colônia em 5 de novembro de 1817. Antes disso Leopoldina aprendeu a falar português e preparou-se para vir ao inóspito país. Seu pai aconselhou-a a não se contaminar pelos ideais republicanos que pipocavam na América, segundo aponta o historiador Clóvis Bulcão|1|.

Junto de Leopoldina vieram um diplomata austríaco e um grupo de cientistas que estudaria botânica no Rio de Janeiro. As primeiras impressões sobre o Brasil e seu marido foram registradas por ela em cartas enviadas a seu pai e sua irmã. Nelas a austríaca expressou seu encantamento pela beleza do Rio de Janeiro e destacou alguns pontos da personalidade de d. Pedro.

Acesse também: Entenda se a escravidão poderia ter sido abolida no Brasil antes de 1888

Papel de Leopoldina na independência

Leopoldina cumpriu um papel importante na independência do Brasil, pois ela agiu diretamente para convencer d. Pedro a seguir o caminho da ruptura com Portugal. Os historiadores destacam que Leopoldina teve uma ótima leitura política ao perceber que o clima político poderia conduzir o país a transformar-se em uma república.

Ela entendeu que a única forma de manter o Brasil monárquico era fazer com que d. Pedro permanecesse no país para liderar a instalação de uma monarquia dos Bragança. Como definiu a historiadora Johanna Prantner, Leopoldina “estava certa que se podia negociar a libertação do Brasil da tutela portuguesa em troca de uma monarquia constitucional apoiada pelos patriotas brasileiros”|4|.

Na época ela ainda gozava de grande influência com o imperador e usou-a para conseguir firmeza em suas decisões. D. Pedro era indeciso e tomava atitudes com muita hesitação, e, nesse sentido, Leopoldina atuou para convencê-lo de que ele deveria voltar-se contra Portugal.

Leopoldina teve sucesso em suas ações, e d. Pedro decidiu ficar no Brasil e conduzir a independência. O país, como ela desejava, converteu-se em uma monarquia. Por fim, cabe mencionar que foi ela quem presidiu uma reunião emergencial que definiu a nossa independência — a carta enviada após essa reunião fez com que d. Pedro declarasse-a em 7 de setembro de 1822.

Relação com d. Pedro

Leopoldina foi recebida no Rio de Janeiro no final de 1817. [1]
Leopoldina foi recebida no Rio de Janeiro no final de 1817. [1]

O relacionamento de Leopoldina com d. Pedro foi, no mínimo, conturbado. De acordo com ela, d. Pedro enfurecia-se caso as coisas não acontecessem conforme sua vontade, e, ao longo dos nove anos de casamento, o futuro imperador do Brasil nunca respeitou sua esposa. O que mais marcou o relacionamento deles foi a infidelidade do futuro imperador do Brasil.

O primeiro caso extraconjugal conhecido de d. Pedro foi com uma atriz e dançarina francesa Noemi Thierry. D. Pedro engravidou a francesa e encontrava-se com ela na presença de Leopoldina. Foi preciso a intervenção do rei de Portugal para colocar fim a esse relacionamento, e isso foi feito quando Noemi foi enviada para Recife. O filho de Noemi e d. Pedro faleceu antes de completar um ano.

Outro caso extraconjugal famoso de d. Pedro, e esse era uma grande humilhação para Leopoldina, foi com Domitila de Castro, mulher que ele conheceu durante uma viagem para São Paulo. O envolvimento de d. Pedro com Domitila estendeu-se por anos, e ela beneficiou-se muito com ele, adquirindo bens, títulos nobiliárquicos e ajudando diretamente seus parentes mais próximos.

Depois de transformado em imperador do Brasil, d. Pedro I continuou seu relacionamento com Domitila por sete anos. Engravidou-a, trouxe-a para o Rio de Janeiro e para o convívio com sua esposa, a imperatriz do Brasil. Com isso Leopoldina sentiu-se progressivamente humilhada pela forma como d. Pedro tratava-a e pela sua atenção a Domitila. A amante foi transformada em marquesa de Santos.

D. Pedro chamava Domitila de “imperatriz do meu coração”|2|, e, à medida que o tempo passou, dedicou tratamento cada vez pior a sua esposa. Os maus tratos de d. Pedro a Leopoldina começaram a ser públicos, e até mesmo na frente da amante ele destratava-a, pessoas da época registraram como isso acontecia.

D. Pedro passou a bloquear os recursos gastos com Leopoldina e com a manutenção da casa, e existem registros de que ele agrediu-a diversas vezes. Apesar do casamento infeliz, a relação de d. Pedro I e Leopoldina obteve aquilo que se esperava dela: um herdeiro para o trono brasileiro. Esse herdeiro foi d. Pedro II.

Acesse também: Saiba como foi o reinado do filho de Maria Leopoldina

Morte de Leopoldina

Os últimos anos de vida de Leopoldina foram tristes e marcados por uma progressiva depressão que a atingiu. Essa depressão foi causada pelas humilhações que ela sofria do imperador, principalmente pelo caso com Domitila. Existem diversos registros que relatam o estado de ânimos da imperatriz, e destacamos deles um trazido pela historiadora Isabel Lustosa:

Encontrei Sua Majestade em sua biblioteca, inteiramente só, e pareceu-me fraca de saúde, e com maior depressão de ânimo do que de costume. Saí com um sentimento de opressão, quase novo para mim, pois deixava-a, como previ, para uma vida de vexações maiores que tudo que ela havia sofrido até então, e num estado de saúde pouco propício para suportar um peso adicional|3|.

Em 1826 Leopoldina engravidou novamente do imperador. A depressão que sofria e as brigas com o marido prejudicaram sua gravidez. Existem relatos de que ela chegou a ser espancada nesse estado. Leopoldina teve um aborto espontâneo e, enfraquecida, faleceu em 11 de dezembro de 1826.

Notas

|1| BULCÃO, Clóvis. Leopoldina, a austríaca que amou o Brasil. In.: FIGUEIREDO, Luciano. História do Brasil para ocupados. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2013. p. 237.

|2| LUSTOSA, Isabel. D. Pedro I: um herói sem nenhum caráter. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

|3| Idem, nota 2.

|4| PRANTNER, Johanna. Imperatriz Leopoldina do Brasil. Petrópolis: Vozes, 1997.

Crédito das imagens

[1] Commons

Por Daniel Neves Silva

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados