Os Panteras Negras e o movimento racial nos EUA

Você está aqui

c
Membro dos Panteras Negras em frente ao Memorial Lincoln em convenção do partido

Curtidas

0

Comentários

0

Compartilhe:
Por Tales dos Santos

Por Tales Pinto

Um dos grupos mais radicais na luta contra o preconceito racial nos EUA durante o século XX foi o Partido dos Panteras Negras (Black Panthers Party). Formado na década de 1960 por Huey Newton e Bobby Seale, na cidade de Oakland, na Califórnia, os Panteras Negras diferenciavam-se das ações pacifistas pregadas por Martin Luther King e do caráter religioso islâmico dado à luta dos negros por Malcom X.

Denominados inicialmente de Partido dos Panteras Negras para a Autodefesa, o grupo passou a adotar o marxismo como orientação política, buscando interligar a perspectiva da luta de classes entre burguesia e trabalhadores articulada com o contexto da luta racial nos EUA. Isso levou inclusive à reivindicação de uma indenização por parte dos capitalistas e do Estado dos EUA pelos séculos de escravidão a que os africanos estiveram submetidos.

Dessa forma, os Panteras Negras entendiam a mão de obra escrava como formadora da riqueza do principal país capitalista do século XX. Por isso, também divulgavam a necessidade de realizar a expropriação dos meios de produção dos capitalistas brancos. O contato com as posições políticas defendidas por Mao Tsé-tung em seu Livro Vermelho serviram ainda para o grupo se ver como uma vanguarda na luta do movimento negro estadunidense.

Uma das formas de ação dos Panteras Negras era o armamento das comunidades negras. Tal posicionamento era decorrente dos constantes atos de violência e brutalidade policial a que estavam submetidos cotidianamente. Por isso, a ação inicial do grupo era contra uma das principais instituições repressivas do Estado: a polícia. Inúmeros foram os casos de confrontos armados entre os Panteras Negras e as forças policiais, resultando em mortes tanto entre os militantes quanto de policiais.

Um exemplo foi o de Huey Newton que foi preso em 1967 pelo assassinato de um policial em Oakland. A prisão resultou em um movimento para sua libertação chamado por seu camarada Eldridge Cleaver. Essas medidas objetivavam também apontar o que os Panteras Negras consideravam como injustiça, pois quando eram julgados, a maioria dos jurados era formada por pessoas brancas. Frente a isso, reivindicavam que os processos contra membros da comunidade negra fossem julgados por pessoas da mesma cor de pele.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Huey Newton, um dos fundadores do Partido dos Panteras Negras
Huey Newton, um dos fundadores do Partido dos Panteras Negras

Com o passar dos anos, o grupo conseguiu projeção nacional. Ações assistenciais eram realizadas, como a criação de escolas comunitárias, distribuição gratuita de alimentação, bem como a criação de centros médicos destinados a atender a comunidade negra.

O objetivo do partido era também organizar as comunidades negras dos EUA para a defesa de seus próprios interesses, além de construir uma consciência própria desse setor da sociedade, o que passava ainda por uma educação de seus membros, com o objetivo de contar a história da população negra nos EUA de acordo com suas próprias perspectivas.

A radicalização das ações, o fortalecimento dos Panteras Negras, inclusive com a compra de armas, e a unidade de ação conseguida com outros grupos levaram o FBI a intensificar a perseguição ao partido. J. Edgar Hoover, chefe do FBI à época, chegou a apontar os Panteras Negras como a principal ameaça à segurança interna dos EUA.

Mas a repressão teve resultado. Ao longo das décadas de 1970 e 1980 várias prisões de membros dos Panteras Negras foram realizadas, encarcerando-os durante vários anos. Problemas internos, como disputas políticas e o uso de drogas, também contribuíram para o enfraquecimento do partido. Após a década de 1990, os Panteras Negras perderam expressão política e organizacional.

Curtidas

0

Compartilhe: