Joseph Goebbels

Você está aqui

Joseph Goebbels foi um dos grandes nomes do nazismo, ocupando o cargo de ministro da Propaganda e sendo o responsável por toda a propaganda política que manipulou a população alemã durante a década de 1930. Foi também um dos grandes nomes por trás do antissemitismo que resultou no Holocausto — genocídio que matou seis milhões de pessoas.

Goebbels ingressou no nazismo na década de 1920, e ascendeu rapidamente nos quadros do partido por possuir boa retórica. Ao aproximar-se de Hitler, incentivou o culto à personalidade do líder do nazismo. Incentivou também a perseguição dos opositores de Hitler e dos judeus, valendo-se, inclusive, de métodos violentos. Cometeu suicídio com a derrota da Alemanha na Segunda Guerra Mundial.

Acesse também: Eugenia nazista - o conceito de “raça superior” que marcou o nazismo alemão

Primeiros anos

Paul Joseph Goebbels nasceu em Rheydt, na Alemanha, no dia 29 de outubro de 1897. Era filho de Fritz Goebbels, um homem que trabalhava em uma fábrica de velas, e de Katharina Odenhausen, que trabalhava como empregada em uma propriedade na zona rural. O histórico familiar de Goebbels era de uma filha humilde que sobrevivia do trabalho braçal e com privações.

Os pais de Goebbels tiveram ao todo seis filhos, dos quais ele foi o quarto a nascer. Seus irmãos foram: Konrad, Hans, Maria (morta com alguns meses de idade), Elisabeth e Maria. Os problemas de saúde também foram algo que marcaram a sua infância, sobretudo pela deformação que ele tinha em um de seus pés e que lhe causou alguns problemas na escola.

Depois de concluir o ensino secundário, Goebbels ingressou no ensino superior. Ele desejava cursar Medicina, mas acabou matriculando-se em Alemão e História na Universidade de Bonn, em 1917. Antes disso, ele havia vivido uma grande frustração: sua deformação no pé não o permitiu alistar-se na guerra.

Em 1921, Goebbels obteve o título de doutoramento em Filosofia e Literatura romântica pela Universidade de Heidelberg. Assim procurou dar início a sua carreira profissional e seguir a carreira literária, mas não teve muito sucesso. Ele chegou a publicar artigos no jornal de Rheydt e também dava aulas particulares para sobreviver.

A partir do ano de 1923, Goebbels começou a trabalhar em um banco, na cidade de Colônia. Nessa época, ele já havia abraçado as ideias ultranacionalistas e antissemitas que envenenaram a sociedade alemã. A derrota na Primeira Guerra Mundial foi o cenário propício para isso, pois teorias conspiratórias começaram a surgir a fim de explicar o fracasso alemão.

Ideias de que a raça alemã precisava ser purificada, de que os judeus eram responsáveis pela decadência da Alemanha e de que a derrota na guerra tinha sido parte de um complô, eram muito comuns naquele período, e Goebbels abraçou-as. Seu crescente antissemitismo é exemplificado pelo historiador Peter Longerich ao mostrar que ele registrou ter perdido o encantamento por uma jovem, com quem estava relacionando-se (Else Janke), pelo fato de ela ser judia|1|.

A guinada de Goebbels para ideias ultranacionalistas e antissemitas é explicada pelo historiador Richard J. Evans como uma possível consequência dos meses em que ele morou em Munique (entre 1919-1920), o grande centro da extrema-direita alemã no pós-Primeira Guerra. Quanto mais Goebbels mergulhava nesse tipo de ideal, mais próximo do nazismo ele ficava.

Entrada no nazismo

Joseph Goebbels ingressou no nazismo em 1924 e tornou-se um dos grandes nomes do partido. Na imagem, Goebbels está à esquerda, cabisbaixo. [1]
Joseph Goebbels ingressou no nazismo em 1924 e tornou-se um dos grandes nomes do partido. Na imagem, Goebbels está à esquerda, cabisbaixo. [1]

O cenário político da Alemanha durante a década de 1920 ficou marcado pelo surgimento de uma série de partidos de extrema-direita, entre os quais estava o Partido Nazista. Goebbels teve contato com partidos ultranacionalistas no começo dessa década, e considera-se que o período de 1923-1924 foi crucial na definição que ele tinha de cultura e política.

Em meados de 1923, já existiam registros de Goebbels declarando certa admiração por Hitler. Historiadores demonstram que Goebbels tinha certa predisposição para buscar um líder a quem inspirar-se desde o período universitário, e, por ter uma personalidade narcisista, ele buscava o reconhecimento desse líder constantemente. Em 4 de abril de 1924, Goebbels ingressou oficialmente no Partido Nazista.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Goebbels dedicou-se a desenvolver o Partido Nazista na região de sua cidade natal, Rheydt. Nesse esforço ele atuou para promover candidatos na eleição local e dedicou-se à produção de  artigos e discursos influenciados pela ideologia nazista. A capacidade de retórica de Goebbels era tão boa que o próprio Hitler convidou-o para discursar em Munique.

O trabalho na produção de artigos e o seu crescimento no interior do nazismo renderam-lhe uma nomeação: a de diretor de um jornal chamado Völkische Freheit, de viés ultranacionalista. Ele assumiu a direção em outubro de 1924, e a primeira edição desse jornal contava com textos escritos por ele mesmo.

Em 1926, Goebbels foi convidado pelo próprio Hitler para assumir o comando do Partido Nazista em Berlim, capital da Alemanha. Isso foi resultado da aproximação que aconteceu entre os dois após a entrada de Goebbels no partido. Em 1928, Goebbels foi eleito deputado no Reichstag, o Parlamento alemão. Isso fez dele um dos membros mais importantes do nazismo na Alemanha.

Acesse também: Einsatzgruppen - grupos nazistas de extermínio

Ministro da Propaganda

Goebbels desenvolveu ações para garantir a mobilização da população e o envolvimento dela com o regime nazista. [2]
Goebbels desenvolveu ações para garantir a mobilização da população e o envolvimento dela com o regime nazista. [2]

Em 1933, Adolf Hitler assumiu o cargo de chanceler da Alemanha, levando os nazistas ao poder do país. Goebbels tinha sido um dos grandes nomes que trabalharam na promoção de Hitler durante a eleição presidencial de 1932. Hitler havia sido derrotado por Hindenburg, mas, no começo de 1933, foi nomeado chanceler do país.

Goebbels foi recompensado com o Ministério da Propaganda, posto que assumiu em 14 de março de 1933. O objetivo de Hitler, ao colocá-lo na função, era o de impor o controle nazista sobre toda a produção cultural e intelectual que existia na Alemanha, e assim promover uma verdadeira revolução cultural no país.

Goebbels passou a ser o grande responsável pela propaganda do regime nazista e teve muito sucesso nessa função. Ele conseguiu convencer parte considerável da Alemanha a apoiar o nazismo, extraindo uma grande mobilização popular na sua defesa. Além disso, ele conseguiu impregnar o antissemitismo, intensificando a perseguição contra os judeus.

Goebbels esteve por trás da supressão do acesso à cultura e passou a perseguir artistas e intelectuais que não se enquadrassem no ideal nazista. Uma de suas primeiras medidas, nesse sentido, foi a de promover a queima de livros, em maio de 1933. Nessa queima, foram incendiados livros de Einstein, Erich Maria Remarque, Thomas Mann, Freud, entre outros.

A revolução cultural defendida e implantada sob a liderança de Goebbels visava impregnar a ideologia nazista e aprofundar o apoio popular a ela. Para isso, as gerações mais novas foram alvo de intensa doutrinação ideológica que começava desde a educação básica. A Juventude Hitlerista, grupo de jovens que apoiavam Hitler, era formada pelos que haviam sido iniciados na doutrinação nazista aos seis anos de idade.

Goebbels, em suas propagandas, transmitia o nazismo por uma imagem profundamente positiva, de maneira a conquistar o apoio da população. Ele instigava as pessoas a participarem ativamente do regime, e essa era uma característica fundamental do nazismo: a mobilização do povo. Para tanto,  comícios gigantescos eram realizados como maneira de reforçar os valores do nazismo. A convocação da população para boicotes e ataques contra os judeus era outra forma de manter o povo engajado com as ações nazistas.

O ministro da Propaganda também foi o responsável pela exaltação da imagem de Hitler e pelo culto a sua personalidade. Ele popularizou a expressão Heil Hitler, que significa “salve Hitler”, como saudação dos nazistas. Goebbels admirava Hitler verdadeiramente, e, por conta disso, criou esse culto, que foi parte essencial do regime.

Veja também: Brasil na Segunda Guerra Mundial – entrada e atuação

Goebbels e o antissemitismo

O papel de Goebbels no desenvolvimento do antissemitismo na Alemanha, na década de 1930, foi extenso. Uma de suas primeiras ações, nesse sentido, foi anunciar o Judenboykott — lei que determinou o boicote aos estabelecimentos comerciais de judeus. Esse boicote durou um dia e inaugurou a perseguição contra os judeus na Alemanha sob comando dos nazistas.

O antissemitismo foi uma das principais iniciativas de Goebbels como forma de reforçar o apoio da população ao nazismo. Quando a situação do governo agravava-se, Goebbels incentivava a violência contra os judeus como forma de canalizar a insatisfação popular. Essa estratégia dava muito certo, pois o antissemitismo era muito forte entre as gerações mais velhas que haviam sofrido com as consequências da derrota na Primeira Guerra.

Goebbels possuía uma ideia de antissemitismo muito vaga, de forma que a usava contra todos aqueles que se opusessem ao regime nazista. Ele esteve por trás das ações mais violentas do nazismo contra os judeus, como foi o caso da Noite dos Cristais. Esse ataque generalizado contra os judeus, conhecido como pogrom, aconteceu em novembro de 1938 e deu início ao aprisionamento dos judeus em campos de concentração.

Leia mais: Conferência de Munique - o desfecho da questão diplomática entre Alemanha e Checoslováquia

Segunda Guerra Mundial

A Alemanha deu início à Segunda Guerra Mundial com a invasão da Polônia, em setembro de 1939. As coisas saíram bem para os alemães até a invasão na União Soviética, pois a derrota em Stalingrado prejudicou severamente o esforço de guerra alemão. À medida que os alemães eram derrotados na guerra, Goebbels reforçava sua retórica contra os judeus.

O apelo de Goebbels era para que uma solução final a respeito dos judeus fosse tomada, e ele foi um dos grandes responsáveis por convencer Hitler de que o extermínio dos judeus deveria ser total e realizado durante a guerra. Uma vez convencido, Hitler, Heydrich e Himmler arquitetaram a Solução Final — plano que resultou no Holocausto.

A vitória na guerra passou a ser uma causa de menor importância em relação ao genocídio dos judeus. De toda forma, a perda em batalhas cruciais, como Stalingrado e Kursk, somada à tentativa de assassinato de Hitler, em julho de 1944, fizeram Goebbels convocar a população a uma guerra total contra os Aliados.

Morte

Nas últimas semanas da guerra, a cúpula nazista escondeu-se em um bunker subterrâneo em Berlim. Entre os escondidos estavam Hitler e Goebbels. Em 30 de abril, Hitler cometeu suicídio junto de sua esposa, Eva Hitler. Antes disso, ordenou que Goebbels fugisse da Alemanha, mas ele desobedeceu a ordem.

Antes de cometer suicídio, Hitler nomeou o almirante Karl Dönitz a assumir o comando do país. No dia 1º de maio, Joseph Goebbels e sua esposa, Magda Goebbels, decidiram matar seus filhos e cometerem suicídio em seguida. Assim eles fizeram. Nesse dia, Goebbels e sua esposa administraram doses de ácido cianídrico em seus seis filhos, levando-os à morte. Em seguida, ele e sua esposa ingeriram o mesmo ingrediente.

Nota:

|1| LONGERICH, Peter. Joseph Goebbels: uma biografia. Para acessar, clique aqui.

Créditos das imagens

[1] IgorGolovniov e Shutterstock

[2] Everett Historical e Shutterstock

Por Daniel Neves Silva

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados