Batalha de Waterloo

Você está aqui

A Batalha de Waterloo aconteceu no território da atual Bélgica, em 18 de junho de 1815, sendo travada por Napoleão Bonaparte e suas tropas contra os exércitos da Sétima Coalizão. Essa batalha ficou marcada como a derrota definitiva de Bonaparte, que abdicou do trono e foi enviado para um exílio na distante ilha de Santa Helena.

Acesse também: Bloqueio Continental e a vinda da família real portuguesa para o Brasil

Antecedentes: Era Napoleônica

A Batalha de Waterloo marcou o fim do período napoleônico, encerrando os 16 anos em que Napoleão Bonaparte esteve no comando da França. Ao longo desse período, Napoleão havia conquistado inúmeras vitórias, expandindo seu domínio por outros países da Europa. Tudo isso começou a mudar em 1812.

Napoleão Bonaparte liderou as tropas francesas em Waterloo, mas a sua derrota marcou sua derrocada e fez com que ele fosse para o exílio.
Napoleão Bonaparte liderou as tropas francesas em Waterloo, mas a sua derrota marcou sua derrocada e fez com que ele fosse para o exílio.

Nesse ano, Napoleão deu início à Campanha da Rússia, uma campanha militar contra o Império Russo, em represália ao fato de os russos terem furado o Bloqueio Continental. Napoleão formou um exército com cerca de 600 mil soldados e liderou a invasão do território russo, mas essa campanha foi um grande desastre.

Napoleão teve de lidar com a tática de terra arrasada dos russos e, quanto mais avançava, mais o abastecimento de suas tropas se tornava complicado. Isso porque o abastecimento das tropas napoleônicas dependia do saque dos locais por onde passavam. Entretanto, na Rússia, não havia o que saquear.

A falta de suprimentos, os pequenos ataques russos e o inverno tornaram a situação dos franceses insustentável. No final dessa campanha, cerca de 30 mil soldados retornaram a Paris com Napoleão. O desastre foi tão grande que a sexta coalizão foi formada, e Napoleão foi forçado a abdicar do trono francês em 11 de abril de 1814.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

  • Exílio e Governo dos Cem Dias

Com a abdicação, Napoleão foi enviado para o exílio e a monarquia absolutista foi restaurada na França, com a entronização de Luís XVIII. Napoleão foi enviado para a ilha de Elba, no Mar Mediterrâneo, próximo da costa francesa.

O exílio de Napoleão durou 10 meses. Em 26 de fevereiro de 1814, ele percebeu uma falha de segurança na ilha e aproveitou-se dela para fugir. Napoleão retornou para a França e deu início a uma marcha em direção a Paris, sendo acolhido por onde passava.

O rei Luís XVIII decidiu fugir da França e Napoleão foi recebido como herói pela população parisiense. Isso marcou o início do “Governo dos Cem Dias” e do esforço de Napoleão Bonaparte para formar um exército que garantisse sua posição no poder francês.

Por conta disso, Reino Unido, Áustria, Prússia e Rússia formaram a Sétima Coalizão e partiram para derrotar Napoleão. Era o início da luta decisiva da vida de Napoleão Bonaparte.

Principais acontecimentos

As tropas de Napoleão invadiram a Bélgica no dia 15 de junho de 1815 e tinham dois grandes adversários para enfrentar. Havia a força liderada por Arthur Wellesley, mais conhecido como Duque de Wellington, e a outra força expressiva era a prussiana, liderada por Gebhard von Blücher.

Napoleão tinha de derrotar essas duas forças, embora seu grande adversário fosse mesmo o Duque de Wellington. No entanto, primeiro ele precisava neutralizar a ameaça prussiana e, por isso, dividiu seu exército em três grupos. Um deles, liderado por Michel Ney, foi colocado na retaguarda para manter Wellington longe dos franceses.

Enquanto isso, Napoleão Bonaparte e os soldados liderados por Emanuel de Grouchy atacariam os prussianos. Esse ataque, ocorrido em 16 de junho de 1815, ficou conhecido como Batalha de Ligny. Nessa batalha, os prussianos assumiram posições defensivas e resistiram aos ataques franceses, mas foram derrotados.

Blücher, então, tomou uma decisão importante, garantindo que suas tropas recuassem. O recuo foi estratégico e o comandante prussiano manteve contato com o Duque de Wellington. Napoleão, para certificar-se de que os prussianos não retornariam para ajudar o inglês, enviou os 30 mil soldados sob comando de Grouchy para manter Blücher longe da luta.

  • Waterloo

Monumento construído no local da Batalha de Waterloo, em homenagem à vitória da Sétima Coalizão contra Napoleão Bonaparte.
Monumento construído no local da Batalha de Waterloo, em homenagem à vitória da Sétima Coalizão contra Napoleão Bonaparte.

Em seguida, Napoleão Bonaparte uniu suas forças com Michel Ney e, juntos, partiram para atacar as tropas de Wellington. As duas forças possuíam cerca de 70 mil soldados, mas Napoleão tinha mais força de artilharia. O comandante inglês posicionou suas tropas em posição favorável ao longo da elevação do Monte Saint Jean.

Além disso, ele contou com uma chuva em seu favor, a qual tornou o campo de batalha um lamaçal e atrasou o ataque de Bonaparte. O comandante francês teve de esperar o Sol secar o solo para que pudesse iniciar seu ataque, que ocorreu por volta do meio-dia. Cada minuto que os franceses desperdiçaram mostrou-se útil para Wellington.

Quando o ataque foi iniciado, Napoleão procurou realizar um ataque distrativo para enganar Wellington. Ele ordenou que o flanco direito do exército adversário fosse atacado, com o objetivo de forçar Wellington a deslocar soldados para proteger o flanco. O inglês não caiu na manobra e a luta no flanco direito foi dura e parelha.

Depois disso, as posições centrais e o flanco esquerdo das tropas de Wellington foram atacadas e, no começo da tarde, algumas posições começaram a ser cedidas. No flanco esquerdo, as forças de Wellington começaram a se mostrar mais vulneráveis e o comandante inglês enviou soldados para reforçar aquela posição.

Reforços também foram enviados para as posições centrais e os soldados liderados por Wellington começaram a recuperar posições. Um contra-ataque de Wellington foi derrotado com pesado ataque da artilharia de Napoleão. A batalha estava acirrada em todas as suas frentes até que o ator decisivo despontou.

Blücher conseguiu realizar uma manobra e enganou Grouchy. Ele destacou alguns soldados para iludir o francês, que achou que perseguia o grosso das tropas prussianas. Enquanto Grouchy era enganado, o exército prussiano se encaminhou para a batalha em socorro de Wellington.

Napoleão dividiu suas tropas, enviando dois batalhões para segurar o avanço prussiano, mas o maior número de adversários foi decisivo e, pouco a pouco, as forças de Napoleão foram sendo derrotadas. Ainda assim, a resistência francesa foi grande e muitos historiadores sugerem que, se as forças de Grouchy tivessem ido em auxílio, Napoleão teria vencido a batalha.

Acesse também: Comuna de Paris o primeiro governo proletário da história

Derrocada de Napoleão

Napoleão foi obrigado a se retirar do campo de batalha enquanto suas últimas tropas lutavam até a morte. De noite, Wellington e Blücher encontraram-se no campo de batalha e anunciaram sua vitória. A batalha que marcou o fim da trajetória de Napoleão recebeu esse nome porque Waterloo foi o último local onde o Duque de Wellington havia dormido antes da luta.

Napoleão abdicou do trono em 24 de junho de 1815 e foi enviado novamente para o exílio. O local escolhido foi a ilha de Santa Helena, uma ilha bem distante da Europa e que fica a quase dois mil quilômetros da costa africana. Napoleão Bonaparte faleceu nesse local, fruto de um câncer no estômago, em 1821.

Por Daniel Neves Silva

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados