Karl Marx

Karl Marx foi um importante filósofo alemão, conhecido internacionalmente como um dos criadores do socialismo científico, ideologia crítica ao capitalismo.
Estátua de Karl Marx, com o braço direito apoiado sobre uma pedra, em um monumento localizado em Moscou, na Rússia.
Karl Marx foi um revolucionário alemão que defendeu a superação do capitalismo e a instauração do comunismo. [1]
Imprimir
Texto:
A+
A-

Karl Marx foi um filósofo e revolucionário alemão que ficou conhecido por ter sido um dos formuladores do socialismo científico, a vertente mais popular do socialismo. Marx nasceu em uma família de classe alta da Prússia, mas teve contato com ideais radicais ao longo de sua formação educacional.

Ele tornou-se crítico do capitalismo, considerando ser necessário que esse modelo fosse superado. Elaborou a teoria do socialismo científico junto de Friedrich Engels, realizando uma análise minuciosa do capitalismo e propondo que a superação do capitalismo se daria por uma revolução do proletariado, que levaria à instauração do comunismo.

Leia também: Auguste Comte — filósofo francês considerado o pai da Sociologia

Resumo sobre Karl Marx

  • Karl Marx foi um filósofo e revolucionário alemão conhecido por ter sido um dos formuladores do socialismo científico.

  • Pertencia a uma família de classe alta e iniciou seus estudos acadêmicos no curso de Direito, mas decidiu seguir o campo da Filosofia.

  • Foi expulso da Prússia, França e Bélgica por conta de seus escritos revolucionários.

  • Casou-se com Jenny von Westphalen, com quem teve sete filhos (só três sobreviveram à infância).

  • Entre os seus livros mais famosos estão Manifesto Comunista, A Ideologia Alemã e O Capital.

  • Defendia que o capitalismo deveria ser superado, e isso aconteceria mediante uma revolução conduzida pelo proletariado.

Videoaula sobre Karl Marx

Origens de Karl Marx

Karl Heinrich Marx nasceu na cidade de Trier, atual Alemanha, no dia 5 de maio de 1818. Entretanto, na época, a cidade de origem de Marx fazia parte do Reino da Prússia. Marx pertencia a uma família de judeus que não praticavam a religião judaica e que, na verdade, haviam se convertido ao luteranismo, religião predominante na Prússia.

Ele pertencia a uma família de classe alta e dona de inúmeras posses. O pai de Marx era chamado Heinrich Marx, um bem-sucedido advogado. Ele havia abandonado o judaísmo no começo do século XIX por conta da perseguição que os judeus sofriam na sociedade prussiana e pela proibição de que eles assumissem posições no governo.

Heinrich Marx era um homem intelectual, mas era politicamente conservador e um ferrenho defensor do Reino da Prússia, um patriota convicto e adepto do monarquismo. A mãe de Marx, Henriett Pressburg, era uma judia holandesa que pertencia a uma família bastante próspera.

Marx foi o terceiro de nove filhos que o casal formado por Heinrich e Henriett teve. Os dois filhos mais velhos faleceram ainda cedo, e Karl Marx tornou-se o mais velho. Como membro de uma família aristocrata, Marx teve acesso a uma excelente educação e frequentou um colégio que se inspirava nos ideais do iluminismo.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Educação de Karl Marx

Marx ingressou na universidade em 1835, quando tinha apenas 16 anos. Ele foi matriculado na Universidade de Bonn para estudar Direito, seguindo assim os passos do próprio pai. Entretanto, Marx tinha desejo de estudar outras áreas, como a Filosofia, por exemplo. A opção por Direito foi por insistência de Heinrich, porque o Direito possibilitava melhores opções de carreira profissional.

Karl Marx era um bom aluno, dedicava-se com afinco às disciplinas do curso, mas também era bastante dedicado à boemia. O envolvimento de Marx com festas e o consumo desenfreado de bebidas alcoólicas fez com que seu pai decidisse transferi-lo de universidade para que o desempenho escolar dele não fosse afetado.

Ele então foi matriculado no curso de Direito pela Universidade de Berlim. Marx estudou Direito durante algum tempo, mas com o falecimento de seu pai, em 1838, ele decidiu ingressar no curso de Filosofia. Nesse curso, ele teve contato com as ideias de Hegel, as quais tiveram grande impacto sobre ele na juventude.

Em Berlim, ele também passou a conviver com uma série de pensadores que faziam importantes questionamentos sobre a política e a sociedade prussiana. Em 1841, ele obteve um doutorado ao submeter uma tese na Universidade de Jena. O desejo de Marx a partir disso era o de seguir a carreira acadêmica, mas ele nunca conseguiu, porque suas críticas ao governo prussiano o tornaram um desafeto, sendo ele perseguido em seu próprio país.

Veja também: Ludismo — movimento trabalhista que ocorreu na Inglaterra entre 1811 e 1816

Vida profissional de Karl Marx

Fotografia de Karl Marx com barba volumosa e grisalha, em preto e branco.
Karl Marx começou a expor sua ideologia socialista enquanto escrevia para jornais e tecia críticas ao governo.

Depois de obter o doutorado e não conseguir emprego como professor acadêmico, Karl Marx resolveu arriscar-se como jornalista. Ele passou a escrever alguns artigos para um jornal chamado Gazeta Renana, em 1842, se tornando redator-chefe, mas a permanência de Marx nesse jornal foi curta. Crítico do governo prussiano, o jornal foi fechado por ordem do governo.

No jornal, Marx expunha sua ideologia socialista, manifestava suas opiniões econômicas e promovia críticas ao governo. Depois do fechamento do jornal, Marx abandonou a Prússia e mudou-se para Paris, onde passou a trabalhar em outro jornal, os Anais Franco-Germânicos.

Em Paris, Marx conheceu Friedrich Engels, que se tornou o seu melhor amigo pelo resto de sua vida. Lá, Marx também teve maior contato com a realidade de trabalhadores operários, além de ter passado por uma série de dificuldades financeiras por conta da falta de trabalho que ele enfrentava. Essa foi uma realidade que Marx e sua esposa, Jenny (casados em 1843), enfrentaram juntos durante toda a vida.

Karl Marx ainda atuou em outro jornal prussiano, mas que estava sediado em Paris. Esse era o Adiante!, um jornal de ideologia radical que tecia profundas críticas à monarquia prussiana. Mais uma vez, a atuação de Marx no jornal foi limitada, porque ele foi fechado pelo governo francês a pedido do governo prussiano. Além disso, Marx foi expulso da França.

Nos anos seguintes, o pensador ainda foi expulso da Bélgica e, em 1849, decidiu se estabelecer em Londres. A década de 1840 foi um momento marcante na sua trajetória intelectual, pois foi nesse período que ele consolidou uma série de mudanças na maneira de pensar e deu origem ao que conhecemos como socialismo científico.

Qual a relação entre Karl Marx e o socialismo?

Karl Marx é considerado o fundador, junto a Friedrich Engels, do socialismo científico, ideologia política, econômica e filosófica que ficou conhecida por realizar críticas ao capitalismo, propondo a sua superação. O filósofo alemão ainda realizou um profundo estudo do capitalismo, procurando explicar sua história e funcionamento.

Primeiramente, Marx se tornou um crítico das vertentes socialistas que existiam em sua época e as denominou de socialismo utópico. Entre alguns dos representantes desse socialismo estão Robert Owen e Charles Fourier, por exemplo. Os representantes dessa ideologia não pensavam de maneira heterogênea e não possuíam ideais tão radicais quanto as de Marx.

Karl Marx, em sua teoria, elaborou uma análise científica do capitalismo, estabelecendo também a forma pela qual ele seria superado. Marx defendia que a história da humanidade era baseada na luta de classes, isto é, na luta de uma classe explorada contra uma classe de exploradores. No contexto em que ele vivia, ele entendia que os exploradores eram os burgueses — detentores dos meios de produção — e os explorados eram os trabalhadores — a quem ele chamava de proletariado.

O pensador entendia que era necessário que o proletariado tomasse consciência da exploração a que era submetido. A partir desse momento, um processo revolucionário seria realizado, e os proletários estabeleceriam a ditadura do proletariado, um governo socialista que promoveria as mudanças necessárias para combater as desigualdades da ordem capitalista.

Com a socialização dos meios de produção e as desigualdades combatidas, a sociedade se tornaria igual, e todos os seres humanos teriam acesso ao trabalho e dividiriam, cada um com as suas possibilidades, a riqueza produzida. Nesse estágio, o comunismo seria instaurado e as classes sociais e o Estado seriam abolidos definitivamente.

Ao longo de sua trajetória como representante do socialismo científico, Marx escreveu importantes livros, como:

  • Manifesto Comunista;

  • A Ideologia Alemã;

  • O Capital.

Marx foi um árduo defensor dos movimentos de trabalhadores e apoiou importantes acontecimentos revolucionários que se passaram na Europa, como as Revoluções de 1848 e a Comuna de Paris.

Saiba mais: Revolução Industrial — mudanças na vida dos trabalhadores em todo o mundo

Últimos anos da vida de Karl Marx

A vida pessoal de Marx ficou marcada pelas dificuldades econômicas que ele e sua esposa viveram. Em grande parte, eles dependeram das heranças que receberam de suas famílias — Marx e Jenny von Westphalen eram de famílias muito ricas. Além disso, o pensador recebeu ajuda financeira de Friedrich Engels em alguns momentos de sua vida.

Marx e Jenny tiveram sete filhos juntos, mas somente três sobreviveram à infância. As condições pobres nas quais Marx e sua família viviam contribuíram para que quatro de seus filhos não conseguissem sobreviver à infância. Em 1881, Jenny von Westphalen faleceu devido a complicações de um câncer.

Karl Marx não viveu muito mais tempo depois da morte de sua esposa. Ele desenvolveu problemas pulmonares graves porque tinha o hábito de fumar com frequência. Ele teve bronquite e pleurite e faleceu em 14 de março de 1883, em Londres. Karl Marx tinha 64 anos e na ocasião de sua morte, era um apátrida, isto é, não possuía nacionalidade.

Apesar das dificuldades que viveu, a obra de Karl Marx, também conhecida como marxismo, promoveu inúmeras mudanças políticas e econômicas no mundo ao longo do século XX. Seus escritos, mesmo feitos no século XIX, têm enorme relevância na compreensão do capitalismo ainda no século XXI.

Créditos da imagem

[1] Ekaterina Bykova e Shutterstock

Por Daniel Neves Silva