Deuses gregos

Você está aqui

 Os deuses gregos eram as divindades que faziam parte da religião tradicional da Grécia Antiga. Os gregos acreditavam que seus deuses tinham forma humana e possuíam sentimentos típicos dos humanos, como alegria, ódio e tristeza. Eles poderiam interferir diretamente na vida dos seres humanos e residiam no Monte Olimpo.

Acesse também: Como era a educação praticada na Grécia Antiga?

Entendendo a religião dos gregos

Quando falamos de deuses, estamos nos referindo às divindades que faziam parte da religiosidade dos gregos antigos. Atualmente nós nos referimos popularmente a essa religiosidade como mitologia grega e todas as crenças que faziam parte da religiosidade grega tinham uma importância significativa na vida dessa sociedade.

Os deuses gregos eram parte importante da religião dos gregos antigos e poderiam ter sentimentos bem comuns aos humanos, como a inveja. [1]
Os deuses gregos eram parte importante da religião dos gregos antigos e poderiam ter sentimentos bem comuns aos humanos, como a inveja. [1]

Os gregos eram politeístas e, portanto, acreditavam em uma série de deuses, seres sobrenaturais e imortais que representavam as forças da natureza e valores importantes e abstratos, como a justiça e a beleza. As crenças em cada deus, assim como seus atributos e outras questões relativas à religiosidade, variavam de região para região na Grécia. Assim, um deus poderia ser muito mais importante em um local do que outro e poderia até ter características distintas de acordo com o lugar da Grécia em que se estava. De toda forma, os gregos, em geral, acreditavam que alguns de seus deuses residiam em um palácio construído no cume do Monte Olimpo.

Os deuses que residiam nesse local eram conhecidos como deuses olímpicos e, tradicionalmente, fala-se que havia 12 deuses olímpicos. Ainda assim, é importante mencionar que nem todos os deuses gregos residiam no Olimpo. Hades, por exemplo, residia no submundo, e Poseidon, apesar de possuir morada no Olimpo, residia nos mares.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Os gregos acreditavam que os seus deuses possuíam forma corporal humana e passavam por dilemas semelhantes aos dos mortais. Assim, eles se alegravam e se enfureciam como qualquer humano, além de se apaixonarem, sentirem ciúmes, inveja, etc. Havia lendas na religião grega que narravam o envolvimento de deuses com humanos e, até mesmo, o nascimento de filhos entre deuses e humanos.

Os deuses gregos se alimentavam de ambrosia e néctar, alimentos que eram consumidos exclusivamente pelos deuses, pois o humano que consumisse um dos dois morreria. Tradicionalmente, entende-se que a ambrosia é um alimento, e o néctar, uma bebida, sendo ambos os responsáveis por garantir a imortalidade aos deuses.

Todas as histórias que conhecemos dos deuses gregos eram transmitidas por contação de histórias de geração para geração. A tradição oral acabou sendo transcrita em textos que são atribuídos a Homero e Hesíodo. Ambos registraram importantes histórias que narram situações que envolviam os deuses gregos. Homero é conhecido como o escritor de Odisseia e Ilíada; já Hesíodo é conhecido por um livro chamado Teogonia.

Acesse também: A misteriosa epidemia que atingiu a cidade de Atenas no século IV a.C.

Como surgiram os deuses gregos?

Os mitos que faziam parte da religiosidade grega também narravam a origem dos deuses. Zeus, por exemplo, tem sua origem ligada com a história do surgimento do Universo. Nos primórdios dos tempos, o Universo era formado por uma massa cósmica sem forma e desorganizada que era conhecida pelos gregos como Caos.

Do Caos surgiram Gaia (a Terra) e Urano (o Céu Estrelado). Da união de ambos nasceram vários filhos, entre eles Cronos, um titã que se voltou contra o próprio pai, castrando-o e roubando o seu lugar como rei do Universo. Urano amaldiçoou Cronos por ter se voltado contra ele, fazendo com que Cronos ficasse paranoico pelo medo.

Cronos era um titã, um ser gigantesco que habitava a Terra antes dos humanos, e era casado com Reia, uma titânide. Juntos tiveram vários filhos, mas o temor de Cronos pela maldição de Urano fez com que ele devorasse os próprios filhos com o objetivo de impedir que algum deles se voltasse contra ele.

Infelizmente para Cronos, sua mulher o enganou ao salvar Zeus do destino de seus irmãos. Zeus não foi devorado e cresceu escondido de seu pai. Anos depois, Zeus retornou para lutar contra seu pai e salvar seus irmãos. Zeus teve sucesso em resgatar os irmãos e iniciou uma guerra que resultou na derrota de Cronos e dos titãs.

Os titãs foram aprisionados no Tártaro e Zeus tornou-se o novo rei do Universo. Ele também era o rei dos deuses e, junto de dois de seus irmãos, dividiu os domínios de cada um: Zeus ficou com os céus; Poseidon, com os mares; e Hades, com o submundo.

Além de Hades e Poseidon, outros irmãos de Zeus eram Hera, Héstia e Deméter. Todos os seis eram considerados deuses para os gregos.

Acesse também: Mito do Rei Midas — a narrativa que explora a ganância humana

Deuses olímpicos

Com algumas exceções, os principais deuses da religião grega eram os deuses olímpicos, que, como vimos, eram os deuses que residiam no cume do Monte Olimpo. Vimos também que esses deuses eram no total de doze, por isso faziam parte do dodecateão, o panteão de doze deuses.

Poseidon, deus dos mares e das tempestades, era um dos mais importantes deuses para os gregos antigos.
Poseidon, deus dos mares e das tempestades, era um dos mais importantes deuses para os gregos antigos.

A religião grega e a crença nos deuses que faziam parte dela foram transportadas para Roma Antiga. Em Roma, os deuses gregos receberam nomes latinos, embora os atributos fossem semelhantes. Esses eram os deuses olímpicos e seus respectivos nomes em Roma:

Deus(a)

Nome romano

Atributo

Zeus

Júpiter

Rei dos deuses, governante do Monte Olimpo, deus do céu, raio, trovão, etc.

Hera

Juno

Rainha dos deuses, deusa do casamento, das mulheres, da família, etc.

Poseidon

Netuno

Deus da água, dos mares, das tempestades, etc.

Atena

Minerva

Deusa da sabedoria, do artesanato, etc.

Ares

Marte

Deus da guerra, da violência, etc.

Deméter

Ceres

Deus da agricultura, da colheita, das estações, etc.

Apolo

Febo

Deus da poesia, música, artes, filosofia, etc.

Ártemis

Diana

Deusa da caça, da Lua, da virgindade, etc.

Hefesto

Vulcano

Deus do fogo, da metalurgia, das invenções, dos vulcões, etc.

Afrodite

Vênus

Deusa do amor, fertilidade, beleza, da paixão etc.

Hermes

Mercúrio

Mensageiro dos deuses e deus do comércio, comunicação, diplomacia, da viagem etc.

Dioniso

Baco

Deus das festas, do vinho, do teatro, etc.

Alguns estudiosos costumam considerar Héstia como parte dos deuses olímpicos, mas, tradicionalmente, ela não era vista assim. Era uma deusa responsável pela ordem dos lares e era a deusa da família, do lar e do Estado. Era conhecida como a primeira filha da relação de Cronos com Reia e era chamada pelos romanos de Vesta.

Como mencionado, apesar de Hades ser um importante deus para os gregos, ele não fazia parte dos deuses olímpicos, simplesmente por não residir no Monte Olimpo. Ele era o deus do submundo, o lugar para o qual os gregos acreditavam que iam os mortos. Esse fato fazia com que os gregos tivessem um grande medo de Hades e evitava-se até a menção ao seu nome. Os romanos o conheciam como Plutão.

Créditos da imagem

[1] Photo Oz e Shutterstock 

Por Daniel Neves Silva

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados