Ártemis

Você está aqui

Ártemis era uma das divindades mais veneradas da Grécia Antiga, conhecida como a deusa da caça e protetora das mulheres, das crianças e dos nascimentos.
Ártemis era a deusa da caça para os gregos. Por causa disso, seus símbolos eram o arco e flecha.
Ártemis era a deusa da caça para os gregos. Por causa disso, seus símbolos eram o arco e flecha.

Ártemis era uma divindade da mitologia grega conhecida como deusa da caça, da natureza e da castidade, além de ser protetora das mulheres, das crianças e dos nascimentos. Era venerada em diferentes partes da Grécia Antiga, havendo culto para ela em templos e festivais. O Templo de Ártemis em Éfeso era uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo.

Acesse também: Hades — o deus grego do submundo

Resumo sobre Ártemis

  • Ártemis era a deusa grega da caça, da natureza e da castidade, também considerada protetora das mulheres, das crianças e dos nascimentos.

  • Era filha de Leto e Zeus e também era irmã gêmea de Apolo.

  • O arco e flecha eram seus grandes símbolos.

  • Ártemis era venerada em toda a Grécia.

  • O Templo de Ártemis, em Éfeso, foi considerado uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo.

Ártemis na mitologia grega

Ártemis era uma divindade da religiosidade grega conhecida por ser a deusa da caça, da natureza e da castidade. Ela era considerada a patrona e protetora das mulheres, das crianças e dos nascimentos. Era uma das deusas mais veneradas de toda a Grécia.

Essa deusa era filha de Zeus e Leto e também era irmã gêmea de Apolo, conhecido como deus grego do Sol. Narra-se que o nascimento de Ártemis foi atribulado, uma vez que Hera, esposa de Zeus, voltou-se contra Leto, que havia ficado grávida do deus em uma relação extraconjugal. Hera havia impedido que Leto pudesse dar à luz em qualquer lugar da Terra, o que fez com que ela sofresse as dores do parto por muitos meses.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Eventualmente, Leto conseguiu dar à luz em Delos, onde nasceram Ártemis e Apolo. Versões dos mitos de Ártemis afirmam, porém, que ela nasceu em Ortígia. A mitologia conta que Ártemis teria nascido primeiro que Apolo, porém variações apontam que eles teriam nascido juntos.

Durante a sua infância, Zeus teria perguntado o que Ártemis desejava ganhar de presente. Ela respondeu pedindo o seguinte:

  • ser virgem para sempre;

  • ter vários nomes;

  • possuir arco e flecha produzidos pelos ciclopes;

  • ter a capacidade de levar luz para os lugares;

  • possuir uma túnica que a permitisse caçar;

  • ter 60 ninfas do oceano como damas de honra;

  • ter 20 ninfas de um rio de Creta para cuidar dela;

  • ser dona de todas as montanhas do mundo;

  • ganhar uma cidade só para ela.

Ártemis era considerada a deusa da caça pelo fato de possuir um arco e flecha e dezenas de cães de caça. Sua relação com a caça fez com que ela fosse comumente associada a alguns animais selvagens, como os veados e os javalis.

Seu pedido para ser eternamente virgem fez com que ela se associasse com a castidade. Já o fato de ela ser a protetora das mulheres jovens fez com que ela recebesse o epíteto de Ártemis Kourotrofos. Os gregos enxergavam Ártemis, sobretudo, como protetora, principalmente das mulheres que eram noivas e estavam prestes a se casar.

Ártemis não é considerada uma figura central dos mitos gregos, embora, como mencionado, fosse uma deusa muito importante da religiosidade da Grécia Antiga. Existem determinados mitos que demonstram a propensão da deusa em punir aqueles que agiam de maneira impertinente contra ela.

 Ilustração do momento em que Actéon foi transformado em veado por Ártemis.
Actéon foi transformado em um veado por Ártemis ao vê-la nua durante o banho.

Um caso de punição é o de Órion, caçador que tentou estuprá-la e foi morto por ela. Além desse, há um mito bastante conhecido que envolve um homem chamado Actéon. Ele era filho de um rei chamado Cadmo e, em determinada situação, saiu com amigos para caçar nas montanhas. Depois da caça, Actéon encontrou um vale que pertencia à deusa Ártemis, onde viu a deusa nua, se banhando em uma fonte.

Enfurecida e envergonhada, Ártemis decidiu transformar Actéon em um veado. O destino de Actéon acabou sendo trágico, pois ele foi perseguido pelos seus próprios cães de caça e morto na frente daqueles com quem costumava sair para caçar. Há também o episódio em que ela enviou um javali para matar Adônis, que afirmava ser um caçador melhor que ela.

Essa deusa também foi citada por Homero no poema épico Ilíada, em que é narrada a Guerra de Troia, suposto conflito entre os gregos e os troianos. Nesse conflito, ela teria ficado do lado dos troianos, porque seu irmão, Apolo, era o deus patrono de Troia. Um dos chefes troianos, Eneias, teria sido curado por Ártemis depois de se ferido em combate.

Leia também: Afrodite — deusa grega do amor, da beleza e da sexualidade

Culto a Ártemis

Ártemis era uma das deusas mais veneradas na Grécia Antiga, tanto que seu culto se estendeu aos romanos, que a chamavam de Diana. Próximo de Ortígia, ilha localizada ao sul da península Itálica, o culto a Ártemis sofreu fortes influências do culto a outras deusas, como:

  • Ísis, deusa cultuada no Egito;

  • Cibele, deusa cultuada na Frígia (atual Turquia).

O culto a Ártemis também era importante em outras cidades gregas, como Brauro e Perge, na ilha de Delos. Em Brauro, por exemplo, havia um santuário que foi utilizado para rituais de passagem realizados por mulheres jovens e noivas. Esse templo foi frequentado entre os séculos VIII a.C. e III a.C.

Em Esparta, a deusa era conhecida como Ártemis Agrótera, um epíteto usado para se referir à sua qualidade de deusa da batalha. Era comum que os espartanos realizassem sacrifícios de animais a ela antes de iniciar uma campanha militar. Eles o fizeram durante as batalhas da Guerra do Peloponeso, por exemplo.

O fato de Ártemis ter forte relação com o parto levava os gregos fazerem oferendas a essa deusa sempre que um nascimento era bem-sucedido. Entretanto, é importante mencionar que Ártemis não era a única deusa grega associada à gravidez e aos partos.

Os gregos também realizavam festivais em homenagem a essa deusa, como o Festival de Ártemis, realizado em Brauro, ou o Festival de Amarísia, realizado na região da Ática. Ártemis também foi largamente reproduzida nas artes gregas, sempre portando arco e flecha, os seus dois maiores símbolos. O veado e os cães de caça também eram símbolos importantes dessa deusa.

Veja também: Deuses gregos e romanos — qual é a relação entre seus nomes?

Templo de Ártemis em Éfeso

Quando falamos em Ártemis, deve-se citar o Templo de Ártemis, construído em Éfeso e considerado uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo. O culto nesse local também teve forte influência dos cultos a Ísis e Cibele.

Ruínas do Templo de Ártemis em Éfeso.
Ruínas do Templo de Ártemis em Éfeso.

Nessa cidade grega, Ártemis foi relacionada com a fertilidade, atributo de diversas outras deusas gregas, como Hera. Além disso, esse templo foi construído no século VI a.C. e ficou marcado por suas grandes dimensões, sendo muito maior que o Parthenon, uma das construções mais imponentes de Atenas.

As dimensões do templo evidenciam a importância dessa construção. Esse templo teria:

  • 129 metros de comprimento;

  • 68 metros de largura;

  • 128 colunas de 18 metros de altura;

  • colunas com 1,2 metro de diâmetro.

O templo foi destruído no século IV a.C., reconstruído, novamente destruído, em 267 d.C., e novamente reconstruído. Por fim, o santuário foi desativado e destruído pelos cristãos em 401. Acredita-se que as pedras que formavam o templo foram usadas na construção de outras edificações em Éfeso.

Atualmente, existem apenas as fundações do templo. A existência desse santuário pôde ser comprovada no século XIX, quando escavações realizadas por John Turtle Wood o descobriram, em 1869.

Por Daniel Neves Silva

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados