Hefesto

Você está aqui

Hefesto foi o deus da metalurgia para os gregos. Era um artesão habilidoso, tinha uma aparência horrenda e era manco de uma perna.
Ilustração de Hefesto, o deus da metalurgia
Hefesto era o deus da metalurgia, dos artesãos, do fogo, dos vulcões, entre outros, para os gregos antigos.

Hefesto esteve presente na religiosidade dos gregos antigos como o deus da metalurgia, dos artesãos, do fogo, dos vulcões, entre outros. Era visto como um deus bastante habilidoso e o responsável pela produção de diversos objetos de valor mitológicos, como o escudo de Zeus e o elmo de Hades.

Era filho de Hera, deusa que o gerou em partenogênese, isto é, sem que fosse necessário um parceiro para isso. No entanto, sua aparência era tão grotesca que a própria mãe o teria lançado do alto do Monte Olimpo. Hefesto era um deus respeitado, e o centro de seu culto ficava em Lemnos, embora Atenas sediasse importantes festivais em sua homenagem.

Leia mais: Apolo — uma das mais veneradas e conhecidas divindades gregas

Resumo sobre Hefesto

  • Era, para os gregos antigos, o deus da metalurgia, dos artesãos, do fogo, dos vulcões, entre outros.

  • Tinha uma aparência horrenda e era manco de uma perna.

  • Era filho de Hera, deusa que o gerou em partenogênese.

  • Sobre ele ter sido lançado do Monte Olimpo, existe uma versão de que Hera teria feito isso, e outra que aponta Zeus como o responsável pelo ato.

  • Casou-se com Afrodite, deusa da beleza, mas foi constantemente traído por ela.

Quem foi Hefesto?

Hefesto foi uma divindade que fez parte da mitologia grega, o conjunto de mitos que formava a religiosidade dos gregos antigos. Era reconhecido como deus da metalurgia, dos artesãos, do fogo, dos vulcões, entre outros. Por seus atributos, era também tido como o patrono dos ferreiros, escultores e artesãos em geral.

Hefesto ficou conhecido por suas grandes habilidades como artesão e como aquele que fez as armas e armaduras usadas pelos deuses olímpicos. O elmo de Hades, que dava a este o poder da invisibilidade, por exemplo, foi um feito pelo deus manco. Ele também fabricou o escudo e o cetro de Zeus, e ainda abriu a cabeça desse deus com um machado para que Atena pudesse nascer.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Hefesto foi coxo, isto é, manco, pois uma de suas pernas não era saudável. Além disso, ele tinha uma aparência horrenda, e a junção das duas coisas fez de sua imagem algo singular, pois o padrão dos deuses gregos era a perfeição física e estética.

A forja de Hefesto ficava próximo dos vulcões Etna e Vulcano, ambos na Sicília. Era nesse local onde ele operava sua produção, mais especificamente no interior de seu palácio de bronze. Suas habilidades renderam-lhe alguns epítetos, como Chalkeús, refente ao ofício que desempenhava.

Alguns historiadores teorizam que a característica de Hefesto ser um deus deformado e manco pode ter sido uma referência às péssimas condições de saúde dos ferreiros na Grécia Antiga, uma vez que se tratava de um ofício duro e perigoso.

Hefesto era filho de quem?

Na mitologia grega existem duas versões para o nascimento de Hefesto. Uma delas afirma que ele era filho de Hera e Zeus, no entanto, a mais tradicional afirma que ele era filho unicamente de Hera e que havia nascido por partenogênese. Isso teria acontecido porque Hera ficou enfurecida por Zeus ter gerado Atena da mesma maneira.

Hefesto nasceu com as feições horrendas e isso criou um profundo desgosto em Hera. Como consequência, a mãe lançou o filho do alto do Olimpo, e, na queda, ele teria caído no oceano, onde foi resgatado por Tétis (a mãe de Aquiles) e por Eurínome. Ambas o criaram em segurança. Essa queda durou nove dias e nove noites até que ele finalmente chegou ao oceano.

Outra versão aponta que Hefesto foi lançado do alto do Olimpo por Zeus como vingança por ele ter protegido Hera. Nessa versão, Hera foi aprisionada por Zeus, mas o filho a libertou. Zeus então o lançou do alto do Olimpo, e essa queda durou um dia inteiro. Finalmente, Hefesto caiu em Lemnos, cidade grega. O impacto com o chão foi tão grande que deixou o deus coxo. Após recuperar-se da queda, Hefesto se transformou em um dos deuses mais importantes para Lemnos.

Leia mais: Dioniso — deus das festas, do vinho, da alegria e do teatro

Hefesto e Afrodite

Hefesto casou-se com Afrodite como parte de uma promessa de Hera após ter sido resgatada pelo filho das correntes que a aprisionavam. Outras versões apontam que o casamento se deu como forma de evitar desentendimentos entre os deuses pela deusa da beleza e do amor.

O casamento de Hefesto e Afrodite foi infeliz porque esta não gostava de seu marido devido à aparência dele. Afrodite então o traiu diversas vezes, principalmente com Ares, o deus da guerra. Hefesto descobriu a traição por conta de Hélio, o deus do Sol, que viu os amantes juntos.

Hefesto então preparou uma rede mágica que aprisionou Hefesto e Afrodite na cama no momento que eles estavam juntos. Depois, o marido convidou todos os deuses do Olimpo para debochar dos amantes presos e pegos em flagrante. Afrodite fugiu para o Chipre depois disso e se separou de Hefesto.

Hefesto também tentou se relacionar com Atena, deusa grega que se manteve virgem. Atena se negou a envolver-se com Hefesto, e então ele tentou estuprá-la, mas sem sucesso. Nessa tentativa, Hefesto lançou seu sêmen no chão, e desse sêmen surgiu os atenienses, habitantes de Atenas.

Culto a Hefesto

Ruínas de um templo para Hefesto em Atenas.
Ruínas de um templo para Hefesto em Atenas.

Hefesto era cultuado pelos gregos assim como diversos outros deuses. A cidade de Lemnos centralizava o culto a ele, mas outras cidades também o cultuavam em templos. Em Atenas, por exemplo, foi encontrado um templo que homenageava tanto Hefesto quanto Atena.

Esse templo era onde importantes festivais religiosos aconteciam. Em um desses festivais, ferreiros de toda a Grécia iam para Atenas para cultuar Hefesto. Importantes estátuas dele eram encontradas nesse local. Outros locais como Agrigento e Lícia também tinham importantes cultos ao deus da metalurgia.

Videoaula sobre Grécia Antiga: religião

Por Daniel Neves Silva

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados