Medusa

Você está aqui

Medusa era uma Górgona na mitologia grega conhecida por transformar em pedra todos os que olhavam diretamente para ela. Foi morta pelo herói Perseu, que a decapitou.
Medusa era uma Górgona conhecida por ser capaz de transformar em pedra aqueles que olhavam diretamente para o seu rosto.
Medusa era uma Górgona conhecida por ser capaz de transformar em pedra aqueles que olhavam diretamente para o seu rosto.

Medusa era uma Górgona, ser monstruoso presente na mitologia grega. Os relatos sobre Medusa narram que ela tinha uma aparência medonha e que era capaz de transformar aqueles que olhavam diretamente para ela em pedra. Medusa tinha duas irmãs e era a única Górgona mortal. Foi decapitada pelo herói Perseu.

Leia também: Perséfone — a deusa grega que foi sequestrada por Hades e levada ao submundo

Resumo sobre Medusa

  • A Medusa era uma Górgona, um ser monstruoso da mitologia grega.

  • Possuía aparência horrenda e tinha serpentes no lugar de cabelo.

  • Tinha duas irmãs, que também eram Górgonas. As irmãs de Medusa eram imortais.

  • Foi morta por Perseu enquanto dormia.

  • Sua cabeça foi utilizada como adorno para o escudo de Atena.

Quem era Medusa?

Medusa era o nome de uma das Górgonas da mitologia grega. As Górgonas eram monstros que:

  • tinham aparência feminina;

  • possuíam o poder de transformar as pessoas que olhavam diretamente para seus rostos em pedra.

  • apresentavam serpentes na cabeça no lugar de cabelos, sendo esse o seu principal atributo.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Existe certa variação nos mitos envolvendo a aparência das Górgonas e de Medusa, e se popularizou sua descrição como seres de feição monstruosa. Em geral, afirmava-se que elas possuíam garras gigantescas, dentes afiados e corpo em forma de serpente. As Górgonas também eram descritas como portadoras de asas.

Medusa era filha de Fórcis e Ceto e tinha duas irmãs, chamadas Esteno e Euríale. As irmãs de Medusa também eram Górgonas, e um dado importante é que Medusa era a única das três Górgonas que não era imortal. Ela residia em Cistene, mas existem autores gregos que afirmam que ela residia na Líbia.

O nome Medusa tem origem no próprio idioma grego e significa “guardar”, “proteger”. Como veremos, isso é uma referência ao escudo de Atena, que contava com a cabeça de Medusa como adorno. Isso porque na cultura grega a cabeça de Medusa era vista como um amuleto para afastar maus espíritos.

Era bastante comum que esse amuleto fosse usado pelas pessoas, mas também poderia ser desenhado nas paredes de construções. O exemplo mais emblemático é o do templo de Ártemis, em Córcira. A cabeça de Medusa enquanto amuleto era chamada pelos gregos de gorgonião.

Interessante: Uma variação da lenda de Medusa afirma que ela era uma mulher mortal de aparência belíssima que servia como sacerdotisa no templo de Atena, deusa da sabedoria. Medusa teria sido punida por Atena por ser muito vaidosa, o que incomodava a deusa, mas também teria sido punida por profanar o templo de Atena depois de ter mantido relações com Poseidon, o que fez com que passasse a ter as características pelas quais é conhecida.

Acesse também: Religião dos povos vikings — os possuidores de uma cosmogonia própria

Morte de Medusa

A morte de Medusa é o capítulo mais conhecido dessa personagem da mitologia grega. Esse mito se inicia com Dânae, filha de Acrísio, rei de Argos. Ela foi aprisionada pelo próprio pai porque ele recebeu a profecia de que o filho dela o mataria.

Zeus entrou na câmara que aprisionava Dânae e a engravidou de Perseu. Assim, Acrísio decidiu colocar Dânae e Perseu em um baú, lançando-os no oceano. O baú chegou à ilha de Sérifos e foi encontrado por Díctis. Esse homem decidiu criar Perseu como se fosse seu próprio filho, e as lendas gregas contam que Perseu se tornou um grande homem.

Ilustração de Perseu lutando contra Medusa.
Medusa foi decapitada por Perseu, herói filho de Zeus.

Em certo momento, Perseu pediu para Polidecto (irmão de Díctis e rei de Sérifos) dar um presente de casamento para uma mulher chamada Hipôdamia. Ele não tinha condição de dar o presente requerido, um cavalo, então Polidecto exigiu que Perseu conseguisse a cabeça de Medusa e a desse como presente.

Existe também uma versão que aponta que a proposta de decapitação de Medusa foi realizada em um torneio que aconteceu em Sérifos. De qualquer forma, a atuação de Perseu nessa perigosa missão era parte de uma estratégia de Polidecto para afastar Perseu de sua mãe, Dânae. Isso porque Polidecto estava interessado em relacionar-se com Dânae.

A missão de Perseu era uma missão fatal, uma vez que, como mencionado, os gregos consideravam a Górgona um monstro extremamente perigoso. No entanto, Perseu contou com o apoio dos deuses, que deram a ele acessórios de grande valia para que alcançasse seu objetivo: matar Medusa e levar sua cabeça consigo.

Os acessórios que Perseu recebeu foram:

  • Elmo: garantia invisibilidade e foi dado por Hades.

  • Sandálias aladas: auxiliavam no deslocamento e foi presente de Hermes.

  • Escudo: conferia a capacidade de refletir e foi dado por Atena.

  • Espada: seria utilizada para decapitar a Górgona e foi presente de Zeus.

Perseu não encontrou dificuldades para matar Medusa, pois quando ele chegou ao seu esconderijo, ela estava dormindo. Ele utilizou o escudo que refletia que recebeu de Atena e se dirigiu a uma posição em que ele poderia matar a Górgona. Em seguida, Perseu decapitou Medusa, e do seu sangue brotaram Pégaso, um cavalo alado, e Crisaor, um gigante.

Isso aconteceu porque Medusa estava grávida de Poseidon na ocasião em que foi morta. Depois de decapitar a Górgona, Perseu retornou a Sérifos, onde vingou-se de Polidecto, transformando o rei da ilha em pedra ao fazê-lo olhar para a cabeça de Medusa. Em seguida, ele entregou o poder da ilha para Díctis e deu a cabeça de Medusa para Atena. Essa deusa adornou o seu próprio escudo com a cabeça da Górgona.

Por Daniel Neves Silva

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados