Império Romano

Você está aqui

Império Romano é a designação do último período da história da Civilização Romana, embora esse termo seja usado frequente e genericamente para referir-se a toda experiência histórica de Roma. Essa última fase da história romana é entendida como um império que se iniciou em 27 a.C., com a coroação de Otávio como imperador, e durou até 476 d.C., quando Rômulo Augusto foi destronado.

Tal período teve uma organização política diferente em relação ao período da república, uma vez que a característica básica no império era a centralização do poder na figura do imperador. O auge do poder romano ocorreu nesse momento, mas a crise na economia romana e as invasões germânicas levaram o império ao fim.

Leia mais: Arte e arquitetura romana

Fim da República

O surgimento do império é consequência da decadência do modelo republicano, com a República Romana vivendo uma grave crise em sua última fase, sobretudo nos séculos II a.C e I a.C. A crise republicana ficou marcada por rebeliões populares, rebeliões de escravos, ditaduras, guerras civis e muita instabilidade na política.

As novas demandas políticas que surgiram nessa fase, frutos do crescimento da população romana e do crescimento territorial do império, fizeram com que a centralização do poder surgisse como alternativa política. Isso se deu quando as regiões conquistadas pelos romanos começaram a ser anexadas, tornando-se províncias romanas.

As novas necessidades políticas e os novos problemas foram enxergados como complexos demais para a autoridade do Senado. Assim, a figura de uma autoridade máxima como a responsável por administrar esse cenário ganhou força. Outra questão importante também é que um novo ator político começou a consolidar-se no final da república: os militares.

No final da república, os generais romanos tornaram-se figuras populares porque lideravam as tropas romanas. Um dos casos mais famosos foi o de Júlio César, conhecido pela conquista da Gália, região habitada pelos gauleses, povos de origem celta. A popularização dos militares foi influenciada também pela sua profissionalização, que aconteceu em meados do século II a.C.

Todo esse cenário criou uma arena de tensões e disputas pelo poder, e, para resolver essa situação, foi proposta a criação dos triunviratos. Essa forma de governo era basicamente uma gestão de Roma por três pessoas escolhidas para o cargo. O primeiro triunvirato foi formado por Júlio César, Crasso e Pompeu e levou a uma guerra civil.

Os três governantes disputaram o poder entre si, e o vencedor foi Júlio César, que ascendeu como ditador vitalício sobre Roma em 46 a.C. Nessa função seus poderes eram ilimitados, mas duraram pouco, porque diversos membros do Senado conspiraram contra o ditador e assassinaram-no em 44 a.C.

Assim foi formado um segundo triunvirato, e os governantes escolhidos foram Otávio, Marco Antônio e Lépido. Uma nova guerra civil surgiu, causada pelo mesmo motivo da que havia acontecido no primeiro triunvirato: disputa pelo poder. Lépido abandonou suas pretensões, e a disputa foi travada entre Otávio e Marco Antônio. Otávio saiu como vencedor, e Marco Antônio cometeu suicídio em 30 a.C.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A vitória na guerra fez de Otávio uma figura extremamente poderosa em Roma. Ele era dono de uma força militar expressiva e ainda contava com o apoio popular, e o resultado disso foi inevitável: o Senado foi obrigado a ceder seu poder para Otávio, fazendo com que ele se tornasse imperador romano.

Otávio foi transformado em Princeps Senatus, o primeiro dos senadores, uma posição que lhe dava grandes poderes políticos e autoridade sobre o Senado. Ele ainda foi nomeado comandante-em-chefe dos exércitos romanos, cargo conhecido como Imperator, e recebeu o título de Augusto, que o tornava uma figura sagrada (no sentido religioso mesmo) em Roma.

Início do Império Romano

Otávio Augusto foi o primeiro imperador da fase final da Civilização Romana, governando de 27 a.C. a 14 d.C.
Otávio Augusto foi o primeiro imperador da fase final da Civilização Romana, governando de 27 a.C. a 14 d.C.

A subida de Otávio ao trono e sua transformação em imperador de Roma aconteceram em 27 a.C. e marcaram o início da última fase da história romana: o império. Como imperador, ele concentrava o poder político em si, e o Senado era uma instituição com poder secundário. Otávio permaneceu nesse cargo até 14 d.C.

Seu reinado ficou marcado pela sua habilidade política, e ele conseguiu promover um dos governos mais prósperos da história romana. Ao invés de desafar o Senado, preferiu governar com essa instituição ao seu lado, e, para isso, ele não atacou os privilégios dos senadores, garantindo um clima de estabilidade, embora alguns problemas tenham aparecido.

Apesar dos poderes irrestritos, ele garantiu que o funcionamento da política romana em moldes semelhantes aos que existiam na república. Além da estabilidade política, seu governo foi próspero e soube garantir a satisfação das províncias romanas, o que permitiu a manutenção do território do Império Romano.

Com a relativa estabilidade política e paz interna, Otávio pôde revitalizar Roma e garantir o desenvolvimento econômico do império. Entre as obras de revitalização promovidas na sua gestão está a melhoria da infraestrutura do império com o desenvolvimento de estradas e a construção de aquedutos.

Essas obras não aconteceram somente em Roma, mas em todo império, sobretudo nas províncias mais rebeldes. Isso foi parte de uma estratégia da Pax Romana: obras que garantiam o desenvolvimento econômico das províncias em troca de fidelidade e paz. O posicionamento de tropas em locais estratégicos, sobretudo nos limites do império, e a imposição da cultura romana foram outros mecanismos utilizados para a conquista dessa lealdade.

Considera-se então que o reinado de Otávio foi o responsável por iniciar a Pax Romana. Apesar disso, não se tratou inteiramente de um período de paz, porque os romanos seguiam travando suas guerras de conquistas e problemas internos ainda existiam, mas, em relação ao final da república, tratou-se de um período muito mais estável. Após a morte de Otávio, o trono romano foi sucedido por Tibério, seu filho adotivo.

Acesse também: Organização política romana

Administração e economia

O poder dos imperadores, apesar de absoluto, era frágil, pois diversos interesses poderiam voltar-se contra eles, e, por isso, conspirações frequentemente aconteciam e imperadores morriam assassinados. Apesar então de deter o poder político, militar e religioso, o imperador deveria preocupar-se com o exército, grupo que frequentemente voltou-se contra a autoridade máxima romana, e com as províncias, sendo fundamental garantir a satisfação delas.

A administração da economia durante o reinado de Otávio foi uma das mais bem-sucedidas de Roma.
A administração da economia durante o reinado de Otávio foi uma das mais bem-sucedidas de Roma.

A satisfação das províncias, sua estabilidade e sua fidelidade eram fundamentais porque elas produziam o grosso do que era consumido em Roma, sobretudo o alimento. Grande parte da comida consumida em Roma vinha da Hispânia, na Península Ibérica, e do norte da África. A garantia da produtividade desses locais, por sua vez, passava pela obtenção de trabalhadores escravos, figuras fundamentais na economia romana.

Dinastias romanas

A fase imperial, como já vimos, estendeu-se de 27 a.C. a 476 d.C. Os historiadores do assunto criaram uma divisão dessa fase em quatro dinastias que existiram de 27 a.C. a 235 d.C. De 235 d.C. em diante, inicia-se a crise do século III d.C. e, portanto, é também iniciada a crise do Império Romano.

As quatro dinastias romanas foram:

  • Dinastia Júlio-Claudiana (27 a.C.-68 d.C)

  • Dinastia Flaviana (69-96 d.C.)

  • Dinastia Nerva-Antonina (96-192 d.C.)

  • Dinastia Severa (193-235 d.C.)

Acesse também: Linha do tempo – Idade Antiga

Crise do Império Romano

O século III d.C. é, portanto, o início da crise romana, que perdurou por mais de 200 anos, fazendo com que o final da história romana fosse de agonia. A economia foi a primeira área do império que demonstrou seu enfraquecimento, e isso estava diretamente relacionado com o sistema escravista.

Como mencionado, o trabalho dos escravos era fundamental para que a produtividade romana se mantivesse em níveis aceitáveis. Essa dependência fez com que a economia estagnasse quando o número de escravos obtidos para o trabalho começou a diminuir. Essa causa estava diretamente relacionada com a diminuição das guerras de conquista, fontes de obtenção dos escravos para Roma.

A crise da economia afetou o Império Romano em diferentes áreas, mas, principalmente, em uma área vital para a sua segurança: a manutenção das tropas. Sustentar um exército era caríssimo, e, com a economia enfraquecida, manter a quantidade de soldados não foi mais possível. Reduzir as tropas deixou zonas importantes do império desprotegidas, sobretudo as fronteiras.

Além disso, era necessário aumentar os impostos, o que prejudicava a estabilidade social do império. Muitas reformas foram realizadas, mas, com o fracasso delas, decidiu-se, durante o reinado de Teodósio, por dividir o Império Romano no ano de 395. Administrar um império do tamanho de Roma de maneira centralizada mostrava-se inviável.

A decadência romana iniciou-se no século III d.C., levando o Império Romano ao fim em 476.
A decadência romana iniciou-se no século III d.C., levando o Império Romano ao fim em 476.

A perda do poder político romano já era perceptível nesse momento porque, desde 330, a capital do império não era mais Roma e sim Constantinopla. Com a divisão, surgiu Império Romano do Ocidente e Império Romano do Oriente, cada qual com sua capital. A parte oriental, próspera e estável, sobreviveu, mas a parte ocidental, empobrecida e enfraquecida, sucumbiu.

O golpe de misericórdia sobre o Império Romano foi dado pelos povos germânicos, que habitavam além das fronteiras romanas e que, desde o século III d.C., começaram a migrar, procurando invadir o território romano: essas foram as invasões germânicas. Diferentes povos, como saxões, visigodos e vândalos, travaram guerra contra Roma.

O fim do Império Romano deu-se em 476, quando os hérulos invadiram Roma e Odoacro, líder desse povo germânico, destituiu Rômulo Augusto, o último imperador. A parte oriental seguiu existindo, mas como Império Bizantino, e sobreviveu até 1453. Caso queira aprofundar-se no derradeiro momento da Civilização Grega, leia: Crise no Império Romano.

Por Daniel Neves Silva

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados