Exploração do pau-brasil

Você está aqui

Home / Idade Moderna / Exploração do pau-brasil

O pau-brasil (Caesalpinia echinata) foi o primeiro produto cultivado na colônia a trazer rentabilidade para a coroa portuguesa

Curtidas

34

Comentários

Compartilhe:

Por Me. Cláudio Fernandes

O vegetal conhecido como pau-brasil também já recebeu o nome de pau-de-Pernambuco, porém, seu nome científico é Caesalpinia echinata. Ele era frequentemente encontrado na região da Mata Atlântica brasileira, que se estendia por faixas de terra que iam de estados como o Rio Grande do Norte ao Rio de Janeiro. Essa árvore possui propriedades que fizeram dela o primeiro produto realmente valioso no período da montagem do sistema colonial português.

Como apontam os pesquisadores Francismar Aguiar e Reinaldo Pinho, na “ocasião do descobrimento, chamou a atenção dos navegantes portugueses uma árvore de cujo lenho era preparada uma tinta de cor vermelha empregada no tingimento de penas. “Ibirapitanga” era o nome usado pelos nativos, que significa, em tupi, madeira vermelha. Este corante de imediato passou a ser utilizado pelos europeus, em substituição a um outro similar produzido com o “sappan” para tingir tecidos.” (Aguiar, Fracismar F.; Pinho, Reinaldo. Pau-brasil. Caesalpinia echinata. Árvore nacional. São Paulo, 2007. p. 16).

Tal propriedade de tingimento avermelhado, associada à utilidade que a madeira do pau-brasil oferecia na confecção de instrumentos musicais, móveis e outros utensílios domésticos feitos de madeira, resultou na exploração de tal matéria-prima logo nos anos iniciais da colonização. Por volta de 1503 já havia um sistema complexo montado em torno da extração de pau-brasil. A metrópole portuguesa concedia o monopólio da extração da madeira a empreendedores particulares, que se encarregavam de organizar-se em sistemas de feitorias, isto é, espécies de armazéns fortificados onde era estocado o produto e de onde partia para abastecer os navios que tinham por destino a coroa portuguesa.

O trabalho de extração do pau-brasil era feito com mão de obra indígena, obtida a partir da prática do escambo, ou seja, da troca de mercadorias e bugigangas europeias pelo trabalho pesado. Os índios encarregavam-se de derrubar as madeiras, cortá-las em toras, transportá-las para as feitorias e acomodá-las; em troca, recebiam objetos como miçangas, tecidos, vestimentas diversas, canivetes, facas e outros utensílios desse gênero. Entre os anos de 1503 e 1505, o monopólio do pau-brasil ficou sob o domínio de Fernando de Noronha (o descobridor do arquipélago que leva o seu nome) e de seus sócios.

Os pesquisadores Francismar Aguiar e Reinaldo Pinho ainda lembram que a nau (embarcação) portuguesa que saiu do Brasil, em 1500, para dar ao rei de Portugal, D. Manuel, a notícia do descobrimento da “ilha de Vera Cruz” “[…] carregou toras de pau-brasil. Em 1501, D. Manoel mandou o capitão André Gonçalves para estudar a utilidade da nova colônia, mas foi por esse informado que nada havia de útil a não ser grande quantidade de pau-brasil [...]”. Entretanto, na carta de Pero Vaz de Caminha, endereçada ao rei, não consta referência à madeira.

Curtidas

34

Comentários

Compartilhe: