Plano Marshall e a recuperação europeia

Você está aqui

Home / Idade Contemporânea / Plano Marshall e a recuperação europeia

Cartaz do Plano Marshall feito pela Administração de Cooperação Econômica, simbolizando o avanço dos países europeus

Curtidas

0

Comentários

Compartilhe:

Por Me. Tales Pinto

Após o fim da Segunda Guerra Mundial, os EUA e os países aliados vencedores, os localizados na Europa Ocidental, necessitavam de reconstruir a economia europeia devastada pelos longos anos de conflito a que estiveram submetidos. Era ainda necessário a esses países conter a ameça de expansão da influência soviética. Nesse contexto de reconstrução econômica e de Guerra Fria, foi lançado, em 1947, o Plano Marshall.

O Plano Marshall (oficialmente European Recovery Program, ou Programa de Recuperação Europeia) recebeu esse nome graças a seu idealizador, o general George Catlett Marshall, antigo Chefe do Estado-Maior do Exército dos EUA e, à época do lançamento do plano, secretário de Estado do presidente estadunidense Henry Truman. O Plano Marshal foi um ambicioso projeto de empréstimos e doações financeiras realizados pelos EUA e seus capitalistas aos países europeus devastados pela Segunda Guerra Mundial.

A União Soviética havia saído prestigiada do conflito mundial em decorrência da vitória sobre os nazistas, dos milhões de mortos que caíram em combate e dos ataques das tropas alemãs. Havia ainda o fato de que durante a década de 1930, quando grande parte da economia do mundo ocidental estava em profunda crise, iniciada em 1929, a economia planificada soviética alcançava níveis altíssimos de crescimento.

Além do mais, em países como a Itália e a França, os Partidos Comunistas alinhados a Moscou demonstravam bastante força. Na Alemanha destruída e dividida em duas zonas de influência, fazia-se necessária uma rápida ação para conter os soviéticos, que mantinham seus exércitos ainda mobilizados.

A solução pensada com o Plano Marshall era fazer uma campanha contra o comunismo a partir da reconstrução econômica dos países, reestruturando suas indústrias e aumentando rapidamente o nível de consumo de suas populações.

Entre 1948, ano em que entrou em vigor o Plano Marshall, e 1951, ano em que foi encerrado, cerca de 18 bilhões de dólares foram entregues aos países europeus aderentes ao plano através de doações e empréstimos. Para executar o plano, os EUA criaram a Administração da Cooperação Econômica (Economic Cooperation Administration, ECA, na sigla em inglês.)

A oferta de ajuda econômica também foi oferecida à URSS, mas foi recusada já que Stalin pretendia reestruturar as economias de sua zona de influência sem o apoio do capitalismo ocidental. Frente a isso, os países europeus criaram, em 1948, a Organização Europeia de Organização Econômica (OECE), embrião do que viria a ser a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Dessas iniciativas surgiriam ainda o Mercado Comum Europeu e, posteriormente, a União Europeia.

Com os créditos oriundos do Plano Marshal, foi possível a todos os países europeus ocidentais (exceto a Espanha de Franco e a Finlândia, vizinha da URSS) comprarem alimentos, produtos agrícolas, produtos industrializados e combustíveis, em sua maior parte dos EUA.

O Plano Marshall serviu ainda para a constituição do que viria a ser conhecido como o Estado de Bem-Estar Social, em que parte dos serviços necessários à população (saúde, educação, seguro-desemprego etc.) era oferecida pelo Estado. Dessa forma, os capitalistas ocidentais enfrentavam a influência soviética com a melhoria das condições econômicas da população.

Por outro lado, o Plano Marshall representou um dos primeiros esforços no sentido da internacionalização dos capitais e dos capitalistas no mundo. Através de um plano econômico e social, as fronteiras nacionais foram superadas pelo capitalismo, que poucos anos antes foram motivo de um conflito bélico que resultou na marca de mais de 50 milhões de pessoas mortas.

Curtidas

0

Comentários

Compartilhe: