A Civilização Chavin - História da Civilização Chavin

Você está aqui

A cultura mais antiga da América?

Mil quilômetros ao norte do lago Titicaca, a mais de 3 mil metros de altitude, nos Andes peruanos, encontram-se as ruínas de algo absolutamente desconcertante, próximo de um povoado denominado Chávin: um imenso templo. Dele dão notícias Cieza de León em 1548 e Antônio de Espinoza em 1624, que a propósito anotava: " Este é um dos templos mais famosos daqui, uma espécie de Roma ou Jerusalém...", mas pouco a pouco perdeu-se toda notícia dele, e os contínuos desmoronamentos e deslizamentos de terrenos o sepultaram, ocultando-o nas entranhas da uma paisagem selvagem. Quando dois exploradores do século passado, o italiano Raimondi e o francês Wiener, foram descobrindo um monólito e o segundo executando alguns apontamentos esquemáticos do lugar, não imaginaram que haviam chegado a roçar o rosto de uma América desconhecida. Em Chávin de Huantar, no antiplano setentrional e norte da costa do Peru, foi desenvolvida a cultura pré-colombiana mais antiga que se conhece na América do Sul. As provas efetuadas com o C-14 permitiram datar os descobrimentos no século XI a.C. Se trata sem dúvida alguma da cultura mais antiga do Peru pré-incaico. Nela o mais caracteristico é representação, que se repete até a saciedade, em pedra, cerâmica e metal, de uma imagem de felino-deus. Também parece demonstrado que ali se originou a mais antiga ourivesaria em ouro.

O Lanzón

Duas passagens se iluminavam nas ruínas e eu entrei nos subterrâneos do templo de Chávin. São três andares de galerias revestidas em lagebem lavradas, escadas, pequenos aposentos. Há boa ventilação e o ar está fresco. A maior parte das galerias não se encontram abertas à visitação, pois alguns compartimentos são usados para guardar estranhas esculturas líticas. Um corredor estreito, em forma de cruz abriga um dos monumentos mais famosos da arqueologia americana - o Lansón.

Que religião estranha criou este ídolo tão feroz? Um personagem antropomórfico com mais de quatro metros de altura, a boca larga com caninos salientes, olhos cruéis, sobrancelhas e cabelos em forma de serpentes, nariz achatado com narinas abertas - mistura mística dos animais sagrados das religiões americanas : felino, serpente e ave de rapina. A cabeça do ídolo é enorme ocupando quase um terço do volume da escultura de granito. A mão direita está levantada mostrando as enormes unhas. Um cinto com motivos felinos( bocas abertas, dentes à vista ), pulseiras nos braços e nas pernas, na cabeça, uma espécie de mitra também ornamentada com cara de felinos.

Dois cordões em forma de serpente descem pelas costas, entrelaçando-se numa trança. É um espectro horroroso, iluminado por uma luz amarela vinda de holofotes. Num andar superior havia um aposento de sacrifícios. O sangue das vítimas ( humanas?) descia por um sulco na mitra até uma cavidade acima do naris do monstro, derramando-se depois, nariz abaixo, para a boca - ou melhor, o focinho, que é largo, agressivo e feroz. Não pode ter sido benigna a religião associada a tal divindade.

Na época incaica o santuário encontrava-se arruinado e semi-abandonado. O famoso Caminho do Inca passa longe de Chávin. Talvez por isso as origens dessa cultura se encontrem perdida nas trevas do primeiro período Formativo.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Civilização Inca

Por Rainer Gonçalves Sousa

Curtidas

0

Compartilhe: