História do Mundo

Busca

Cronologia

Civilizações

Ibéricos

Ibéricos

Expansão

Os portugueses foram os primeiros na expansão ultramarina européia, no início do século XV no reinado de D. João I. As viagens marítimas eram estratégicas para apontar o caminho alternativo para as Índias, antes explorado através do mediterrâneo, então dominado pelas cidades-estado italianas de Gênova, Veneza e Amalfi.

Muitos queriam ir até as Índias, (hoje é a Ásia) atrás de especiarias, disputadas a preço de ouro na Europa. Enquanto isso a França e a Inglaterra resolviam questões feudais respectivamente nas guerras dos Cem Anos e das Rosas e Portugal se lançava às conquistas. Primeiro ocupou em 1415 Ceuta, 1418 ilhas da Madeira, 1427 ilhas dos Açores. Mas eles queriam o litoral africano, numa expedição organizada por D. Henrique, o Navegador, herdeiro de D. João I.

As constantes jornadas de feitorias e fortalezas consolidaram a presença lusa na África, isso fazia com que barrasse a ação de concorrentes e garantia o ouro, escravos, malagueta, algodão e outros.

O caminho do Atlântico ao Índico revelava tufões, tempestades, doenças e combates com os nativos. Em uma expedição, perder metade das embarcações era normal.

Navegadores lusos também foram ao Índico, chegando à Indonésia, à China e ao Japão. Portugal passou a ser um império tricontinental, com domínios na África, na Ásia e na América do Sul.
A Espanha também tentava chegar às Índias pelo Ocidente. Para se lançar ao oeste, os reis espanhóis Fernando II e Isabel I aceitaram os serviços de Cristóvão Colombo, que comandou quatro expedições e no final descobriu a América.

Colônias

Em 1453, com a tomada de Constantinopla pelos turcos e a interrupção da rota às Índias pelo Mediterrâneo, os portugueses para buscar suas mercadorias e especiarias ou produtos de alto valor, teriam que se lançar ao mar.
Na primeira metade do século XV contornando a África, foram demarcando o caminho com feitorias e portos pelo litoral oeste.

Organização política não havia nessas colônias, apenas áreas portuárias para assegurar o direito dos traficantes de escravos. Como o objetivo era chegar à Ásia, não havia interesse da Coroa em explorar o interior dessas localidades africanas, muito menos promover o desenvolvimento da religião.

Os métodos adotados para se apropriar de pedras e metais preciosos eram a pilhagem e escambo.
Na Ásia, entre 1498 e 1499, o navegador português Vasco da Gama, iniciou o processo de colonização. Logo depois, os espanhóis tomaram as Filipinas, de onde só saíram em 1898.

Depois do século XVII, a presença britânica na região e a força da Companhia das Índias Orientais superaram a força dos portugueses.

Os artesãos

No século XVI, na península Ibérica, o número de artesãos cresceu muito. Os produtos produzidos eram comercializados em outros mercados em troca de ouro, prata e especiarias.

Nas cidades européias, os artesãos se uniam em corporações, estabelecendo salários, fixando regras para a execução do ofício.

Entre as principais profissões estavam luveiros, carpinteiros e ferreiros (faziam ferramentais, armas e ferraduras para cavalos).

Religião dos Ibéricos

Quem controlava o culto, a religião, a catequização dos índios, a educação e a moral era a Igreja Católica.
Em 1534, o jesuíta Inácio de Loyola, fundou uma sociedade para proteger o catolicismo da Reforma Protestante na Europa e difundir a religião nas novas terras.

Em pouco tempo, a companhia de Jesus se tornaria a mais influente instituição religiosa em Portugal e nas colônias. Os primeiros representantes da sociedade desembarcaram no Brasil comandados pelo padre Manuel da Nóbrega, em 1549, para evangelizar os nativos e educar os colonos.

Entre os séculos XVII e XVIII, os jesuítas se espalharam fundado colégios, construindo escolas e estabelecendo reduções. Também chamadas de missões, essas comunidades reuniam índios seminômades. Os religiosos ensinavam os princípios cristãos e preservavam os indígenas da escravização colonial.

A maioria das reduções bem-sucedidas estava no sul, ao redor das fronteiras de Brasil, Paraguai e Argentina, que ficaram conhecidas como Sete Povos das Missões (Santo Ângelo, São Borja, São João, São Lourenço, São Luiz Gonzaga, São Miguel e São Nicolau).

Em 1750, o Tratado de Madri, determinou a transferência da região dos Sete Povos das Missões, no Rio Grande do Sul, para a Espanha em troca da Colônia de Sacramento, que ficaria com a Espanha.

Os índios deveriam sair das reduções, carregando o que pudessem. Inconformados em ter que deixar para trás lavouras produtivas, igrejas e suas casas, os nativos resistiram à Coroa portuguesa com o apoio dos jesuíticas, desencadeando a Guerra Guaranítica, que dizimou a população. Os poucos sobreviventes atearam fogo às vilas.

Idade Antiga

Resolução mínima de 800x600. Copyright © 2014 Rede Omnia - Todos os direitos reservados
Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização prévio da equipe (Inciso I do Artigo 29 Lei 9.610/98), salvo para trabalhos escolares. Todo conteúdo é para fins educacionais.
Veja Também: História do Brasil | Vestibular

R7 Educação