Arca da Aliança

Você está aqui

Home / Hebreus / Arca da Aliança

Réplica da Arca da Aliança: mito ou verdade?

Curtidas

6

Comentários

Compartilhe:

De acordo com a narrativa bíblica, o povo hebraico tinha um pacto com o deus Javé estabelecido pelas inscrições de duas placas contendo pontos fundamentais de seus hábitos e crenças. Os Dez mandamentos eram mantidos em uma arca que, além de proteger as placas dos Dez Mandamentos, simbolizava a importância do acordo selado entre Javé e o povo hebreu.

Protegendo um cânon sagrado dos hebreus, a chamada Arca da Aliança tornou-se uma das mais preciosas relíquias das religiões judaico-cristãs. Envolta em mistério e dúvida, a questão sobre a existência da Arca da Aliança, volta e meia, ganha destaque em documentários e obras literárias. No entanto, esta e outras relíquias da narrativa bíblica confundem os limites entre fé e Ciência.

Um dos mais antigos relatos sobre a Arca da Aliança aparece no fim do período do Cativeiro Egípcio, quando os hebreus foram mantidos como escravos no Antigo Egito, por volta de 1300 a.C. . De acordo com o livro bíblico de Êxodo, a Arca representava o favor de Jáve junto ao seu povo abençoado. Além disso, os relatos bíblicos dizem que este acordo selado teria sido estabelecido aos pés do Monte Sinai. Conforme alguns estudos apontam, a localização do Monte Sinai remeteria, na verdade ao monte Bedr.

Essas diferenças ocorrem porque as histórias do livro de Êxodo foram elaboradas muito tempo depois do acontecimento dos fatos. Especialistas na história bíblica apontam que os eventos iniciais da história hebraica teriam sido formulados durante o cativeiro hebreu na Babilônia. Além de ser descrita como um sinal do favor divino, a Arca da Aliança é descrita na Bíblia como dotada de poderes sobrenaturais. Mantida como um objeto somente observado pelos sacerdotes levitas, a Arca teria sido local de aparição de Javé.

A grande importância dada ao objeto demonstra como a adoção do culto monoteísta entre os hebreus não promoveu a completa ruptura com antigas tradições religiosas dos povos nômades. A Arca, devido seu alto grau de sacralidade, chegava ser um outro objeto de adoração dos hebreus. Durante as batalhas pela terra de Canaã, os hebreus conduziam a Arca da Aliança aos locais de confronto por acreditarem que a mesma garantiria as vitórias.

Seu caráter sagrado ainda foi descrito no livro de Samuel, quando os filisteus roubaram a arca dos hebreus. Como conseqüência de sua ousadia, os filisteus foram acometidos por diferentes punições misteriosas. Somente no reinado do rei Salomão que a Arca foi mantida no Templo de Jerusalém construído entre 970 a.C. e 931 a.C.. Com separação do povo hebreu nas tribos de Judá e Israel, a Arca seria mais uma vez alvo da dominação estrangeira.

Os babilônios, em 586 a.C., teriam destruído a cidade de Jerusalém sob a liderança do rei Nabucodonosor II. De acordo com o livro dos Macabeus, o profeta Jeremias profetizou a destruição de Jerusalém e, por isso, teria escondido a Arca no monte Nebo. Segundo o arqueólogo Dan Barat, a ação descrita no livro dos Macabeus tem uma conotação cultural. De acordo com esse estudioso, entre os judeus é comum dizer que algo foi posto no monte Nebo quando este objeto foi perdido para sempre. Portanto, existe a possibilidade da própria Bíblia relatar o fim da Arca da Aliança.

No entanto, outros pesquisadores ainda contam com a possibilidade dos babilônios terem tomado a Arca como espólio de guerra. Já outro livro sagrado dos judeus, o Talmude, afirma que o rei Josias teria escondido a Arca em um compartimento secreto do Templo de Jerusalém. Quando os hebreus voltaram à Jerusalém, em 539 a.C., reconstruíram o Templo mantendo o local da Arca sem a presença da mesma.

Tal constatação foi feita pelo general romano Pompeu que ao tomar a cidade de Jerusalém indagou porque os judeus mantinham um quarto vazio em seu templo. Depois disso, a chamada Diáspora Judaica manteve o mistério da Arca acobertado. Somente no século XII apareceram alguns relatos de que a Ordem dos Cavaleiros Templários mantinham a relíquia em segredo.

Atualmente, há um grupo religioso etíope que diz manter a Arca escondida. Os monges da Igreja Santa Maria de Sião teriam recebido o objeto das mãos de Menelik, filho do Rei Salomão com a rainha de Sabá, em 950 a.C.. Segundo os monges, a Arca da Aliança permanece escondida em um templo próximo ao lago Zway. Até hoje, ninguém foi autorizado a entrar neste templo e, finalmente, desvendar o mistério sobre a Arca.

Sem maiores comprovações, alguns arqueólogos ainda concentram suas buscas na cidade de Jerusalém. Mesmo não sendo encontrada ou sendo uma mera invenção mítica, a Arca tem importante valor religioso para judeus e cristãos. A sua possível existência representa a confirmação da devoção religiosa de milhares de pessoas espalhadas pelo mundo.

Curtidas

6

Comentários

Compartilhe: